Conecte-se agora

Famosos

Advogado de mulher que acusa Neymar de estupro deixa o caso

Danilo Garcia de Andrade, que era advogado de Najila Trindade, disse na noite desta segunda (10) que deixou o caso e não representará mais a mulher que acusa Neymar de estupro.

“Devo me tirar do processo”, afirmou Andrade. “Sim, estou anunciando oficialmente nesta entrevista […] Não sou mais advogado de Najila”, ele declarou ao SBT.

Segundo o UOL, Andrade disse que tomou a decisão após a cliente o acusar de planejar um arrombamento em seu apartamento e de roubar o tablet onde estaria um vídeo que mostraria o segundo encontro dela com Neymar, em Paris.

Andrade esteve na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, em São Paulo, na tarde desta segunda-feira (10).

Ele disse para a delegada Juliana Lopes Bussacos que deixaria o caso se a sua cliente não entregasse celular ou tablet com o vídeo até a meia-noite. Quando Bussacos deixou a DDM, às 20h30, nada havia sido entregue.

A mulher registrou boletim de ocorrência, no último dia 31, acusando o jogador de estuprá-la no dia 15 de maio em um hotel em Paris (saiba mais aqui e aqui). Ela afirmou ter imagens que comprovariam isso em seu tablet.

“Vim informar à delegada que eu não tenho o celular, nem o tablet. Ela [Najila] tem até meia-noite de hoje para entregar à delegada ou para mim. Eu me comprometi a trazer. Se não fizer isso até meia noite, eu deixo o caso. Não tem como defender uma pessoa que não entrega suas provas”, disse Andrade mais cedo.

Em depoimento na sexta-feira (7), no prédio da 6ª DDM, em Santo Amaro, zona sul de São Paulo, Najila prometeu entregar o aparelho celular nesta segunda-feira. Ela pediu prazo para salvar arquivos e agenda.

A gravação de sete minutos seria a íntegra de um trecho de pouco mais de um minuto, que vazou na última quarta-feira e mostra uma briga entre ela e o jogador no hotel.

Em entrevista ao SBT na última quarta, a modelo diz que atraiu Neymar para filmá-lo no segundo encontro e comprovar que havia sido estuprada e agredida pelo atacante no dia anterior (15 de maio).

Em seu celular, que é aguardado pela polícia, a modelo também diz que há fotos e prints de conversas com Neymar e com uma amiga, com quem teria conversado sobre o que ocorreu entre ela e o jogador em um quarto de hotel em Paris.

Danilo foi o primeiro advogado que se apresentou à delegada Bussacos. Antes dele, a modelo contratou José Edgard da Cunha Bueno Filho que, em vez de procurar a polícia, sugeriu buscar um acordo diretamente com Neymar. (BN)

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Famosos

Ratinho e SBT são condenados a indenizar padres em R$ 400 mil por difamação

O apresentador Ratinho terá que pagar uma indenização a dois padres da cidade de Astorga, no Paraná, por danos morais. Os clérigos receberão R$ 200 mil do apresentador e mais R$ 200 mil do SBT por causa de reportagem falsa veiculada no “Programa do Ratinho” em 1999.
 
A matéria afirmava que um morador da cidade de Astorga havia largado a mulher para ir morar com o padre que celebrou seu casamento. Além da notícia não ser verídica, o programa de Ratinho ainda exibiu a imagem de um outro padre no lugar do religioso local.

POr isso, os dois padres processaram a emissora e ganharam. O Superior Tribunal de Justiça definiu que tanto Ratinho quanto o SBT devem pagar R$ 200 mil de indenização, totalizando R$ 400 mil para a causa. (Metro1)

Continue Lendo

Famosos

Vídeo: depois de show, Ivete percorre ruas de Petrolina e Juazeiro de madrugada

A cantora Ivete Sangalo surpreende a cada dia. Depois de uma apresentação surpresa na festa junina da escola do filho Marcelo Sangalo, a artista resolveu perambular pelas ruas de Juazeiro, sua terra natal, e Petrolina, cidade vizinha com quem Ivete tem fortes laços.

A artista matou a saudade percorrendo as ruas na madrugada e registrando com vídeos esses momentos. Inicialmente, ela esteve na Praça da Catedral em Petrolina e depois circulou pela Praça Aprígio Duarte, a conhecida Praça do Jacaré em Juazeiro.

Confira abaixo:

Continue Lendo

Famosos

Com risco de perder cachê, Lambasaia está proibida de tocar músicas ofensivas às mulheres

O que era apenas uma possibilidade se concretizou em contrato assinado. A banda Lambasaia está proibida de tocar no Camaforró 2019, onde se apresenta no dia 22 de junho, músicas ofensivas às mulheres. Conforme o BNews, a minuta do contrato já apontava essa alternativa, que foi confirmada no acordo formalizado entre as partes.

A reportagem teve acesso ao contrato, que mostra no 2º parágrafo da 6ª cláusula, entre as obrigações da contratada, “não executar em suas músicas, danças ou coreografias palavras ou ações que venham a desvalorizar, incentivar a violência contra a mulher ou que possibilite a sua exposição a situação de constrangimento, conforme Lei Estadual nº 12.573/2012”.

A cláusula, inclusive, desmente a prefeitura de Camaçari, que quando procurada pela reportagem, nesta quinta-feira (13), negou a existência de qualquer probição à banda e sim uma recomendação. Aconselhamos apenas a substituição de determinados termos nas letras das musicas que possam ser ofensivas. É de responsabilidade da banda o compromisso com a lei antibaixaria e com o seu público, que grande parte é de mulheres”.

Em caso de descumprimento, a banda poderá ser penalizada com perda de parte do cachê. De acordo com a publicação no Diário Oficial do Estado, do último dia 28 de maio, o valor total da contratação é de R$ 60 mil, o que foi confirmado em contrato. “O descumprimento, parcial ou total, de qualquer das cláusulas contidas no presente contrato sujeitará a contratada às sanções previstas na Lei Federal nº 8.666/93, garantida a prévia e ampla defesa em processo administrativo” – “A multa será graduada de acordo com a gravidade da infração, sobre o valor total atualizado do contrato”, informa os parágrafos 1º e 4º da 9ª cláusula do contrato.

A decisão vem após o Grupo Mulheres Unidas de Camaçari pedir a retirada do grupo da programação alegando que o município estaria descumprindo a Lei  Lei Estadual 12.573/2012, conhecida como ‘Lei Antibaixaria’. Na época, o grupo emitiu nota de repúdio ao grupo alegando que “suas letras de músicas incentivam a violência contra as mulheres e as expõem ao constrangimento”.

*Bnews

Continue Lendo