Conecte-se agora

Brasil

”Como o cara vai viver com 24 mil reais?”, reclama procurador mineiro


Procuradores da Justiça de Minas Gerais estão insatisfeitos com o salário mensal de R$ 24 mil. Em um áudio publicado no site do Ministério do Público do estado, alguns integrantes expuseram opiniões sobre a atual remuneração, com direito a desabafo e apelo.

“Um salário relativamente baixo, sobretudo para quem tem filhos. Como o cara vai viver com 24 mil reais?”, esse foi o questionamento feito pelo procurador da Justiça de Minas Gerais, Leonardo Azeredo dos Santos, em reunião extraordinária da câmara de procuradores que debatia o orçamento do Ministério Público para 2020.

Na hipótese de Minas Gerais assinar o acordo de recuperação fiscal, o Estado corre risco de ficar impedido de realizar reajustes salariais, assim como fez o estado do Rio de Janeiro. Esse acordo, se confirmado, irá afetar também o Ministério Público.

Em um áudio de uma hora e quarenta minutos, divulgado no site do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), pode-se ouvir, aos 31 minutos de reprodução, o momento em que Leonardo solicita direito de palavra e desabafa diante do procurador-geral de Justiça, Antônio Sérgio Tonet, e de outros colegas. No discurso, ele diz estar baixando “seu estilo de vida” para sobreviver.

“Quero saber se nós, no ano que vem, vamos continuar nessa situação ou se vossa excelência já planeja alguma coisa, dentro da sua criatividade, para melhorar nossa situação. Ou se vamos ficar nesse mizerê. Quem é que vai querer ser promotor, se não vamos mais ter aumento, ninguém vai querer fazer concurso nenhum”, disse Leonardo Azeredo. O membro do Ministério Público ainda revelou estar usando remédios controlados e antidepressivos para aguentar a situação atual e que já reduziu seu “estilo de vida” para conseguir arcar com as contas.

“Estou fazendo a minha parte. Estou deixando de gastar R$ 20 mil de cartão de crédito e estou passando a gastar R$ 8 (mil), para poder viver com os meus R$ 24 mil. Agora, eu e vários outros já estamos vivendo à base de comprimidos, à base de antidepressivo. Estou falando desse jeito aqui com dois comprimidos sertralina por dia, tomo dois ansiolíticos por dia e ainda estou falando desse jeito. Imagine se eu não tomasse? Ia ser pior que o ‘Ronaldinho’. Vamos ficar desse jeito? Nós vamos baixar mais a crista? Nós vamos virar pedinte, quase?”, conclui.


Durante a sessão, ainda foi discutida a extinção do concurso para oficial de Justiça em grandes cidades de Minas. O intuito é terceirizar o serviço, como foi feito com analistas de sistemas.

Resposta do MP 

Em nota, o MPMG confirma que na sessão “houve manifestação de cunho pessoal de um dos integrantes do colegiado sobre a política remuneratória da instituição”. Afirma, porém, “que não há nenhum projeto em andamento sobre a adoção de benefícios pecuniários para a carreira de membros (procuradores e promotores de Justiça) ou de servidores, em vista da grave crise financeira vivenciada pelo estado e da necessidade de observação da Lei de Responsabilidade Fiscal para gastos com pessoal”.

O texto informa ainda que o órgão “vem tomando medidas de austeridade para aumentar a eficiência administrativa e reduzir os gastos, principalmente com pessoal”. Segundo a nota, as medidas têm se mostrado eficiente para manter o Ministério Público dentro do limite legal de 2% da Receita Corrente Líquida. (EM)

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Bolsonaro passa por exame para investigar possível câncer de pele


O presidente Jair Bolsonaro passou, na tarde desta quarta-feira, por um procedimento dermatológico no Hospital da Força Aérea. De acordo com ele, está sendo investigado um possível câncer de pele. Foi realizada uma cauterização de sinais na região próxima à orelha. Os sinais estariam trazendo preocupação, mas, segundo avaliação médica, não seriam “nada de mais”, relatou um integrante do governo ao GLOBO.

Bolsonaro deixou o Palácio do Planalto às 16h10 rumo ao Hospital da Base Aérea. Em junho, o presidente já havia passado por consulta com dermatologista no mesmo hospital. A Secretaria de Comunicação informou a ida ao médico se tratava apenas de uma consulta de rotina. Bolsonaro deixou o hospital às 17h25 e seguiu para o Palácio do Alvorada. Lá, comentou a possibilidade do câncer de pele.

— Tenho pele clara, pesquei muito na minha vida, fiz muita atividade. Então, a possibilidade de câncer de pele existe — disse Bolsonaro.

Questionado se estava bem, Bolsonaro afirmou, em tom de brincadeira, que o vice-presidente Hamilton Mourão continua no cargo:

— Por enquanto,  o Mourão continua vice, pode ter certeza.

O presidente tinha uma viagem marcada nesta quarta para Salvador, onde visitaria as obras do aeroporto. Questionado por que a viagem foi cancelada, Bolsonaro disse que foi por “questão de estafa”. Fonte: GLOBO.

Continue Lendo

Brasil

Petrobras quer vender fatias de Braskem e Gaspetro em Bolsa


O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou nesta quarta (11) que a empresa pretende vender em Bolsa suas fatias na petroquímica Braskem e na Gaspetro, empresa que participa de distribuidoras estaduais de gás canalizado.

Ele disse ainda que a estatal recebeu, em média, cinco ofertas não vinculantes por cada refinaria do primeiro lote de quatro unidades postas à venda. As ofertas finais, porém, só deverão ser entregues no início de março de 2020.

Até 2024, a empresa prevê arrecadar entre US$ 20 bilhões e US$ 30 bilhões (cerca de R$ 82 a R$ 123 bilhões, pela cotação atual) com a venda de ativos, segundo plano de negócios anunciado na semana passada. A Braskem não está incluída nesse valor.

Castello Branco disse que a ideia é oferecer as ações das empresas em Bolsa ainda em 2020. A Petrobras tem 30% da Braskem e 51% da Gaspetro. O executivo reconheceu, porém, que os planos da estatal enfrentarão resistência dos sócios.

No caso da Braskem, a Petrobras tem mais pressa para se desfazer do ativo do que a sócia Odebrecht, que falou em três anos. “Nós somos 100% opostos a essa ideia. Nessa concepção, parece ideia de quem não quer vender nada”, disse o presidente da estatal.

“Foi-se o tempo em que eles [Odebrecht] mandavam na Petrobras”, afirmou o executivo, em café da manhã com jornalistas na sede da empresa.

A Petrobras quer encerrar o acordo de acionistas com a Odebrecht e mudar todas as ações da Braskem para ordinárias, com direito a voto, com o objetivo de melhorar a governança e elevar o valor da petroquímica em Bolsa.

No caso da Gaspetro, a Petrobras enfrentará resistência da japonesa Mistui, que comprou 49% da empresa em 2015. “A Mitsui tem preferência por participações minoritárias”, disse Castello Branco. A Gaspetro tem participação em 19 distribuidoras estaduais de gás.

A venda da fatia na empresa respeita ainda acordo com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) que determina a saída da estatal dos segmentos de distribuição e transporte de gás natural.

O presidente da Petrobras diz que a opção por vender as ações em Bolsa é “mais democrática e mais transparente”. O modelo foi usado na venda do controle da BR Distribuidora, por meio de duas operações, em 2017 e 2019, que reduziram a fatia estatal a 37,5%. 

O plano de venda de ativos para os próximos cinco anos inclui, além das refinarias e da Gaspetro, usinas térmicas, campos de petróleo, gasodutos marítimos e ativos na América do Sul. Podem ser incluídos ainda a Braskem, nova venda de ações da BR e ativos na Bolívia.

Os processos de venda das refinarias já foram iniciados. “Recebemos várias e boas propostas”, afirmou Castello Branco nesta quarta. “Eu diria que, em média, cinco propostas por refinaria”, disse, referindo-se às quatro primeiras unidades postas à venda – no Rio Grande do Sul, no Paraná, em Pernambuco e na Bahia.

O processo, porém, está ainda em fase de análise, pelos interessados, das informações financeiras e operacionais de cada unidade. A estatal agendou para 6 de março o prazo para receber as propostas firmes. 

A empresa defende a venda de ativos como maneira de levantar recursos para reduzir suas dívidas e investir nos campos gigantes do pré-sal. Para os próximos cinco anos, prevê instalar 13 novas plataformas de produção de petróleo.

Duas serão no campo de Búzios, a maior descoberta de petróleo do país e principal área oferecida no megaleilão do pré-sal, em novembro. A área já tem quatro plataformas em operação e, de acordo com o diretor de Exploração e Produção da companhia, Carlos Alberto Pereira de Oliveira, terá 12 no total.

No leilão de novembro, consórcio formado pela Petrobras e pelas chinesas CNOOC e CNODC se comprometeram a pagar bônus de R$ 68,2 bilhões pelo direito de explorar a totalidade das reservas no campo.
*Bahia Notícias.

Continue Lendo

Brasil

Alvo da Lava Jato, Oi nega ter sido beneficiada por fatos apontados em investigação


Envolvida na nova fase da Operação Lava Jato, a “Mapa da Mina”, o grupo Oi/ Telemar ressalta que é a “principal interessada” no esclarecimento de eventuais atos que possam ter lhe gerado prejuízo. O grupo de telefonia é suspeito de repassar R$ 132 milhões a empresas de Fábio Luis Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A PF deflagrou a operação na manhã de terça-feira (10), com mandados de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Bahia.

Em resposta, a Oi afirma que tem participado de forma colaborativa com o envio de todas as informações já solicitadas pela investigação. “A gestão da companhia reitera que não compactua com nenhuma irregularidade e não tem medido esforços para assegurar que quaisquer ações que eventualmente possam ter prejudicado a companhia sejam integralmente apuradas”, diz em nota.

Além disso, a empresa defende que os fatos apontados na investigação não representam nenhum benefício ou favorecimento a seus negócios.

De acordo com o G1, o MPF aponta que os repasses foram realizador entre 2004 e 2016, período em que o grupo teria sido beneficiado por medidas do governo federal. Ao longo desses anos, os presidentes da República em exercício foram Lula e Dilma Rousseff (PT).

*Bahia Notícias.

Continue Lendo

Mais Lidas