Conecte-se agora

Saúde

Mulheres e crianças infectadas por Zika desenvolvem imunidade ao vírus


Pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e pela Universidade Federal Fluminense (UFF) constatou que mulheres e crianças que já foram infectadas pelo vírus Zika podem desenvolver imunidade à doença. Os pesquisadores detectaram que 80% dos 100 pacientes analisados ficaram imunes depois de serem submetidos à infecção.

As crianças nasceram em 2016 e vêm sendo acompanhadas desde então junto às mães pela UFF e pela Fiocruz. Segundo a pesquisadora da Fiocruz Luzia Maria de Oliveira Pinto, a partir de 2018, elas começaram a ter o sangue coletado e analisado para entender a resposta do sistema imunológico delas a uma nova exposição ao vírus.

“A gente começou a avaliar o sangue tanto das mães quanto das crianças para entender um pouco da imunidade delas, ou seja, para entender se, um dia, caso essas pessoas reencontrem o vírus, elas teriam a capacidade de responder a esse vírus e não ficar mais doente, ou seja, adquirindo a imunidade”.

Segundo ela, participam do estudo 50 mães e 50 crianças infectadas pelo Zika e o resultado foi de 80% de imunidade em ambos os casos.

Além do acompanhamento laboratorial desses 100 pacientes, a UFF também faz o acompanhamento clínico de mais de 260 crianças infectadas pelo vírus que nasceram na região de Niterói. O objetivo, segundo a pesquisadora da UFF Claudete Araújo Cardoso, é verificar se elas desenvolvem alguma doença ou complicação ao longo dos cinco primeiros anos de vida.

Nesse acompanhamento, os pesquisadores verificaram, por exemplo, que alguns bebês que nasceram aparentemente saudáveis desenvolveram um quadro de microcefalia de três a seis meses após o parto. Claudete explica que o fenômeno já havia sido constatado em 13 crianças do Nordeste e foi confirmado agora em seis crianças que estão sendo acompanhadas pela UFF.

“Elas nasceram com perímetro cefálico normal, mas, por ação do vírus, o cérebro da criança para de crescer e de se desenvolver. Esse é um alerta que a gente passa para a população: se nasceu durante uma epidemia ou a mãe teve manchas na pele durante a gravidez, tem que ser feito um acompanhamento criterioso na rede básica, no posto de saúde”, disse. *A Tarde.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Coronavírus: Brasil tem 3 casos suspeitos em investigação e 45 casos descartados


O número de casos suspeitos de infecção por coronavírus no Brasil permanece em três. Outros 45 casos foram descartados. Informou o Ministério da Saúde hoje (17). Segundo o balanço mais recente da pasta, divulgado às 16h de hoje, nos três casos os pacientes estiveram na China, mas não foram a Wuhan, epicentro da doença.

Na coletiva, o secretário João Gabbardo disse que o ministério da Saúde recebeu os planos de contingência de todos os estados e do Distrito Federal. “Precisando mais 48 horas para concluir a análise dos 27 planos”, explicou o secretário.

Na última sexta-feira (14), a pasta da saúde informou que não pretende reduzir as ações de combate ao coronavírus até o inverno, quando aumentam os casos de doenças respiratórias, a mobilização continuará, independentemente da redução do número de casos investigados.
*Metro1.

Continue Lendo

Saúde

Número de mortes pelo novo coronavírus chega a 1,6 mil na China


O número de mortes provocadas pelo novo coronavírus na China aumentaram em 142 pessoas. Ontem (15), a Comissão Nacional do país atualizou para 1,6 mil a quantidade falecimentos pela doença. 

Somente ontem, foram registradas 2.009 novas infecções pelo vírus, o que resulta em um total de 69.260 mil casos confirmados. A maior ocorrência de mortes acontece na província de Hubei, epicentro da crise, onde houve 139 mortes. Entre elas, 100 ocorreram na cidade de Wuhan. 

No Brasil, 4 casos suspeitos estão em investigação. Já os 31 brasileiros que estavam na China e voltaram para o Brasil no último domingo (9), não apresentaram nenhum sintoma da doença, mas permanecem em quarentena. Fonte: Metro1

Continue Lendo

Saúde

Vacinação contra o sarampo mobiliza 42 mil postos de saúde pelo Brasil neste sábado


Neste sábado (15), 42 mil postos de saúde em todo o país estarão abertos para o dia D de vacinação contra o sarampo. O objetivo é imunizar crianças e jovens entre 5 e 19 anos. Os horários de abertura desses estabelecimentos variam de região para região.

O Ministério da Saúde lançou, na última segunda-feira (10), a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. A intenção é vacinar cerca de 3 milhões de pessoas até 13 de março.

Neste ano, a campanha tem, também, o objetivo de conscientizar os país sobre os riscos de não vacinar seus filhos. Rosana Richtmann, infectologista do Instituto Emílio Ribas, afirma que, apesar de se alastrar facilmente, o sarampo é uma doença plenamente controlável via vacina.

“A única arma que temos contra o sarampo é fazer campanha de vacinação, vacinar o maior número de pessoas” – Rosana Richtmann , infectologista do Instituto Emílio Ribas.

Richtmann afirma que o Brasil esteve livre da doença por 20 anos, mas, em 2019, o quadro virou e 16 mil pessoas foram infectadas com a doença, principalmente na região Norte e no estado de São Paulo. (G1)

Continue Lendo

Mais Lidas