Conecte-se agora

Brasil

Bolsonaro diz que Brasil adotou postura de centro-direita na ONU


O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (7) que o voto do Brasil contra a resolução que condena o embargo econômico a Cuba é resultado de uma mudança em direção à centro-direita na política externa do governo brasileiro. Pela primeira vez em 27 anos, o Brasil cedeu às pressões dos Estados Unidos. Nas últimas semanas, o governo americano pediu duas vezes que o Brasil mudasse seu posicionamento histórico de rechaço a medidas econômicas unilaterais.

Em transmissão nas redes sociais, Bolsonaro ressaltou que Cuba é uma ditadura de esquerda e que, por isso, deve ser tratada “como tal”. Para ele, sob seu comando, o Brasil tornou-se um país mais democrático. “Pela primeira vez, o Brasil acompanhou os Estados Unidos na questão do embargo para Cuba. Afinal de contas, aquilo é uma democracia? Não é. É uma ditadura. Então, tem de ser tratada como tal. O Brasil vai mudando a sua posição mais ao centro-direita. Como disse na semana passada, o meu governo é o mais democrático que eu tenho conhecimento ao longo dos últimos anos”, disse.

Para convencer o Brasil, os Estados Unidos argumentaram que, ao condenar o embargo contra Cuba, o país passaria a mensagem de que a nação caribenha pode continuar interferindo impunemente na Venezuela. Mesmo países que têm relação muito próxima aos Estados Unidos e dependem pesadamente de ajuda econômica americana resistiram às pressões de Washington. A Colômbia e a Ucrânia, por exemplo, abstiveram-se na votação.

Apesar de ter afirmado que o seu governo é o mais democrático dos últimos anos, Bolsonaro voltou a atacar a atividade da imprensa, incluindo a Folha de S.Paulo, e anunciou que o Poder Executivo não assinará também a revista “Carta Capital”. Para ele, os dois veículos publicam “notícias desnecessárias”. Na semana passada, Bolsonaro anunciou o corte das assinaturas e, em tom de ameaça, disse que os anunciantes “devem prestar atenção”.

“A partir do ano que vem, não tem mais Folha de S.Paulo na Presidência.E também não vai ter mais a revista Carta Capital, contrato assinado no ano passado. Para que assinar uma revista dessa? Só tem mentira. Não é nem Fake News. Fake News tem uma certa inteligência muitas vezes. Ali é mentira deslavada, uma revista que, lamentavelmente, não presta para nada”, disse. 

O presidente ressaltou que a revista “não interessa para o governo” e que, por ser de esquerda, defende o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele disse que também não repassará verba de publicidade nem para ela nem para a revista “Istoé”. “Agora, ficou ruim para essas revistas. Não tem mais verba oficial para elas. Acabou a mamata. Essas revistas têm de criticar mesmo. Falam um monte de abobrinha sobre o meu governo”, disse. “Não é perseguindo a Folha nem perseguindo a Carta Capital. Notícias desnecessárias que tem ali. Estamos economizando dinheiro para contribuintes”, ressaltou. *Bahia Notícias.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Vídeo: homem desmaia e cai nos trilhos do metrô em São Paulo


Um homem de 37 anos caiu nos trilhos de uma estação do metrô, no último domingo (17), em São Paulo. A vítima por pouco não foi atingida, já que o maquinista conseguiu frear a tempo.

Pessoas no local se assustaram com a queda da vítima, e logo depois tentaram ajudar o homem que estava desacordado.

Testemunhas afirmaram que o homem teria desmaiado e caído nos trilhos. Ele foi resgatado por funcionários, e sofreu um ferimento na cabeça. Ele foi levado para para o Pronto-Socorro Vergueiro.

Até o momento não se sabe o que teria motivado a queda da vítima. Veja o vídeo baixo:

Continue Lendo

Brasil

‘Todos estão arrumando as malas para voltar’, diz refugiado boliviano


Um grupo de refugiados bolivianos no Brasil fez um ato público na fronteira do Acre com a cidade boliviana de Cobija na quinta-feira (14) para simbolizar o retorno ao país, após a queda do presidente Evo Morales, que reunciou sob pressão de militares e protestos nas ruas.

“Todos estão arrumando as malas para voltar. Estivemos aguardando esse dia nesses 11 anos, e esse dia chegou. Você não sabe como explicar aquela felicidade que está no nosso peito, mas chegou o dia e a gente vai voltar”, disse à reportagem o advogado Roger Zabala, 45, considerado um líder dos refugiados bolivianos no Brasil. Zabala foi chefe de gabinete do ex-governador de Pando Leopoldo Fernández, um opositor de Evo preso pelo governo boliviano em 2008.

Zabala vive com mais seis parentes há 11 anos em Epitaciolândia, no Acre, que é separada apenas por uma ponte da cidade boliviana de Cobija. No ato, os bolivianos que vivem no Brasil foram recepcionados por um grupo de bolivianos, atravessaram a ponte e pisaram em Cobija, onde houve discursos.

Há 108 bolivianos na condição de refugiados somente no município acreano, segundo Zabala. “Eu sempre disse, um dia saí da Bolívia, mas a Bolívia jamais saiu do meu coração.”

Para ele, a deposição de Evo foi “um movimento cívico”. “Há uma confusão de sentimentos porque não regressamos todos. Houve amigos que nos deixaram, que faleceram no exterior”, disse Zabala, citando o ex-senador Roger Pinto Molina, que morreu no Brasil em 2017 após um acidente aéreo.

“Não vamos voltar com ódio, não vamos voltar com vingança, vamos voltar com amor, porque nossos antepassados ensinaram que o mais importante é o amor.”

Zabala disse que a estimativa oficial de órgãos internacionais é que cerca de 1.500 bolivianos deixaram o país por algum tipo de perseguição política no governo de Evo. Ele não sabe dizer quantos estão no Brasil, mas estima em mais de 300, principalmente no Acre, no Mato Grosso do Sul, em Rondônia e em São Paulo.

A ideia de Zabala de retorno imediato dos refugiados ainda não será seguida, contudo, por pelo menos um personagem que ganhou vulto na Bolívia a partir de 2009, o ex-promotor de Justiça Marcelo Soza, que vive refugiado desde 2014 em Brasília, onde é aluno de relações internacionais na Universidade de Brasília.

Em 2009, Soza foi designado pela sua chefia na Procuradoria em La Paz para atuar no caso que ficou conhecido como Terrorismo 1, um intrincado episódio político e de espionagem.

Em abril daquele ano, três pessoas foram chacinadas por agentes do governo de Evo em um hotel na cidade de Santa Cruz de la Sierra: os húngaros Eduardo Rósza-Flores e Árpád Magyarosi e o irlandês Michael Martin Dwyer.

Segundo o governo boliviano, eles faziam parte de um complô para matar Evo.

Ao investigar o caso, porém, Soza apontou problemas na perícia, sugerindo que eles foram mortos à queima-roupa e sem reação, e não em um tiroteio como dizia a versão oficial.

A partir disso, segundo ele, passou a ser alvo de perseguição política do grupo de Evo. Enfrentou dois processos ao mesmo tempo sobre o mesmo assunto em duas cidades diferentes. Ele procurou refúgio em Brasília em 2014 e não voltou mais para a Bolívia. Seu casamento acabou, e passou anos sem poder visitar a filha de 11 anos.

Soza disse que seu trabalho tocou interesses do grupo político de Evo, mas também de setores da oposição que hoje aparecem relacionados ao novo governo. “Os compatriotas que saíram pela perseguição do governo vão voltar. Eu sou o único que fui perseguido pelo governo e por ala da própria oposição, porque queriam matar essas pessoas [no hotel] e queriam me usar como bode expiatório”, diz ele. “Não cometi crime nenhum. Vou continuar me defendendo. Prefiro passar fome aqui [no Brasil], mas a minha honra não vai ser pisoteada. É um grupo de várias pessoas da elite política que está dirigindo tudo. A minha luta era contra essas elites políticas.”

Tanto Zabala quanto Soza rejeitam a ideia de que houve um golpe de Estado contra Evo e fazem menção às manobras políticas e judiciais feitas pelo ex-presidente boliviano para garantir um terceiro mandato e tentar uma nova eleição.

“No meu país, a Constituição permite apenas dois mandatos. Evo Morales estava no terceiro, que conseguiu porque teve o apoio do Poder Judiciário. Com um argumento irrisório, conseguiu ir a um terceiro mandato. Para um quarto mandato, ganhou as eleições com fraude, segundo a OEA [Organização dos Estados Americanos]”, disse Soza.

Zabala afirmou que a queda de Evo traz esperança. “Sempre ficamos convencidos de que não devíamos [à Justiça boliviana], não éramos criminosos, então não temos por que continuar fugindo.” Segundo ele, o Estado Democrático de Direito está retornando ao país. “A Justiça está voltando, então a gente vai voltar. Nós nunca nos afastamos da fronteira. Vivíamos essa situação difícil, tão perto e tão longe de alcançar nosso objetivo”, afirmou o advogado. *Bahia Notícias.

Continue Lendo

Brasil

Desmatamento na Amazônia atinge maior patamar desde 2008


O desmatamento da Amazônia entre 1º de agosto de 2018 a 31 de julho deste ano atingiu o maior patamar no intervalo dos últimos dez anos, de acordo com o UOL. 

Foram 9.762 km² de vegetação desmatada. Os dados foram divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e ficaram próximos do que foi antecipado pela imprensa, de 10 mil km². 

O número é o mais alto registrado desde o período de 2007-2008, quando o levantamento era de 12.911 quilômetros quadrados de área desmatada.

Rondônia, Pará, Mato Grosso e Amazônia representaram 84% desse desmatamento. 

“A Amazônia legal é formada por nove estados, mas o comportamento deles, em termo de desmatamento, é muito distinto. O Pará sozinho tem quase 40%”, informou o presidente do Inpe, Darcton Policarpo Damião. *Metro1.

Continue Lendo

Mais Lidas