Connect with us

Brasil

Brasil tem 135 mil pessoas que vivem com HIV e não sabem


Cerca de 135 mil pessoas vivem com HIV no País e não sabem. A estimativa foi apresentada nesta sexta-feira, 29, pelo Ministério da Saúde durante o lançamento da Campanha de Prevenção ao HIV/aids, parte das ações do Dia Mundial de Luta Contra a Aids, celebrado em 1º de dezembro. O foco da ação será em incentivar pessoas que fizeram sexo sem prevenção a fazer o teste rápido para detecção do vírus.

Segundo balanço da pasta, a taxa de detecção de casos de aids caiu 13,6% entre 2014 e 2018, passando de 20,6 casos por 100 mil habitantes para 17,8. A taxa de mortalidade teve queda de 22,8%, de 5,7 óbitos por 100 mil habitantes (2014) para 4,4 (2018). A faixa etária de 20 a 34 anos concentra a maior parte dos casos do País com 18,2 mil registros (57,5%) e 34% dos registros foram em homens de 25 a 39 anos.

“Essa população é de uma nova geração onde as estratégias de comunicação têm um acesso diferenciado. Temos mais dificuldade de atingi-los e isso vale para o HIV e para outras doenças. Temos de trabalhar mais mecanismos de mobilização, principalmente em universidades, nos locais de aglomeração para que a gente possa atingi-los na língua que eles entendem”, diz o secretário de Vigilância em Saúde no Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira.

De acordo com o ministério, com base em dados de 2018, cerca de 900 mil pessoas vivem com o HIV no Brasil, das quais 766 foram diagnosticadas. Destas, 594 mil fazem tratamento com antirretroviral. Com o tratamento, 554 mil não transmitem o vírus por estar com a carga viral indetectável. Neste ano, até outubro, 38 mil pessoas começaram tratamento para HIV/aids no País.

Transmissão vertical do HIV

Entre 2014 e 2018, houve aumento na detecção de casos de HIV em gestantes – a taxa passou de 2,6 por 100 mil habitantes para 2,9. “Tal fator foi resultado da ampliação do diagnóstico no pré-natal e, consequentemente, a prevenção da transmissão vertical do HIV se tornou mais eficaz”, informa o ministério.

A transmissão vertical ocorre quando a mãe passa para o bebê durante a gravidez, o parto ou a amamentação. Durante o evento, o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta destacou que a cidade de São Paulo recebeu, neste ano, a Certificação de Eliminação da Transmissão Vertical de HIV.  Curitiba e Umuarama, no Paraná, também têm o certificado.

“Eu liguei pessoalmente para o prefeito Bruno Covas e o comuniquei. A luta é sempre municipal e estamos falando de um município com 12 milhões de pessoas. É uma cidade complexa.” 

No Brasil, de 2000 até junho de 2019, foram notificados 125.144 casos em gestantes. De acordo com o ministério, de 2014 a 2018, houve queda de 26,9% na taxa de detecção de aids em crianças menores de 5 anos. O índice passou de 2,6 casos por 100 mil habitantes em 2014  para 1,9 em 2018. “A taxa de detecção de aids em menores de 5 anos tem sido utilizada como indicador para o monitoramento da transmissão vertical do HIV”, diz a pasta.

SP teve queda inédita de casos, mas registros aumentam entre idosos

As infecções por HIV registraram queda recorde na cidade de São Paulo no último ano, mas aumentaram entre os idosos, conforme o Estado revelou nesta semana. Embora o grupo mais vulnerável ao vírus continue sendo o de homens jovens, a parcela da população maior de 60 anos foi a única, entre adultos, na qual foi observado crescimento dos casos de HIV, segundo dados da Secretaria Municipal da Saúde.

No cenário geral, o número de novas infecções na capital caiu quase 18% entre 2017 e 2018, passando de 3.826 registros para 3.145. Mesmo índice de redução foi observado na taxa de detecção, que indica o número de infectados por 100 mil habitantes. O indicador passou de 32,7 para 26,8 no período analisado. É a maior queda desde 1996. Entre 2016 e 2017, a taxa de detecção já havia caído 1,9%. (Estadão)

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Brasil terá fábrica para produção de vacina contra a covid-19


 As empresas e fundações Ambev, Americanas, Itaú Unibanco (Todos pela Saúde), Stone, Instituto Votorantim, Fundação Lemann, Fundação Brava e a Behring Family Foundation anunciaram nesta sexta-feira (7) que vão equipar e financiar toda a infraestrutura de uma fábrica para produção de vacina contra a covid-19. O equipamento, que será montado em São Paulo, será doado à Fiocruz e tem capacidade para produção de 30 milhões de doses por mês.

A fábrica deve ser entregue em dezembro. No primeiro momento, o local vai envazar a vacina produzida pela Universidade de Oxford, junto ao laboratório farmacêutico britânico AstraZeneca. A partir de março, a produção deve ser própria.

De acordo com informações divulgadas pela Ambev, inicialmente será construído um laboratório de controle de qualidade, para a realização dos testes desde a primeira fase de incorporação do imunizante pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos /Fiocruz), que consiste no recebimento de 100 milhões de doses do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para processamento final (formulação, envase, rotulagem e embalagem), dentro de um acordo de encomenda tecnológica respaldado pelo governo. 

A vacina desenvolvida por Oxford se encontra na fase III de testes no Brasil e outros países, como África do Sul, UK e EUA. A expectativa é de que esta vacina tenha a submissão do seu dossiê de registro à agência regulatória nacional ainda neste ano. A partir desse deferimento, as doses produzidas serão disponibilizadas ao Programa Nacional de Imunizações (PNI)/ Ministério da Saúde, para imunização da população de acordo com a sua estratégia.

Além disso, o grupo anunciou que vai investir em adequações do parque fabril de Bio-Manguinhos/Fiocruz, assim como na aquisição dos equipamentos necessários à absorção total da tecnologia para produção do IFA. A previsão é que a infraestrutura esteja pronta até o começo de 2021. Quando concluídos todos os investimentos, Bio-Manguinhos/Fiocruz terá também capacidade para produzir outras vacinas no futuro, incluindo outros tipos contra a covid-19 que sejam aprovados. A unidade produtora será um legado do grupo de empresas e fundações para a sociedade civil e as comunidades científica e médica, que terão acesso a uma infraestrutura que pode acelerar a solução para doenças futuras.

A preparação destas instalações fabris terá um custo de cerca de R$ 100 milhões, recurso viabilizado pela coalizão formada pelas empresas e fundações, responsáveis por 100% desses investimentos, incluindo todos os equipamentos laboratoriais e industriais de ponta necessários à sua operação.

A Ambev será corresponsável, junto com a Fiocruz, pela gestão e execução do projeto, sob supervisão técnica de Bio-Manguinhos/Fiocruz. O escritório Barbosa, Mussnich e Aragão Advogados atuará como consultor jurídico do projeto, pró bono. Um comitê composto por todas as empresas e fundações será formado para acompanhar o andamento das obras e aquisições dos equipamentos. 

Parte dos integrantes da coalizão também apoiará a construção de uma fábrica similar no Instituto Butantan, em São Paulo. As duas iniciativas, que unem esforços dos setores público e privado, lideradas por brasileiros de ponta a ponta, trarão ao Brasil uma autonomia inédita para o abastecimento de vacinas contra a covid-19, e serão também as primeiras fábricas capazes de produzir este tipo de vacina na América do Sul.

Fonte: Correio.

Continue Reading

Brasil

Deputado federal cria petição para colocar vira-lata caramelo em nota de R$ 200


O deputado federal Fred Costa (Patriota-MG), criou uma petição para que seja colocado um cachorro vira-lata caramelo como ilustração da nota de R$ 200, ao invés de um lobo-guará, animal escolhido para representar a cédula. O pedido foi lançado no dia 30 de julho, quando se reuniu com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

A petição chegou a mais de 60 mil assinaturas, e o que parecia ser apenas uma ideia inusitada, se tornou algo a ser pensando pelo Banco Central (BC). A diretora de administração do BC, Carolina de Assis Barros, afirmou que a instituição estuda uma ação relacionada ao animal, já que, na petição, foi usada a justificativa de combate aos maus-tratos”.

“Não descartamos a relevância do Lobo-guará na história e na fauna brasileiras, porém o cachorro vira-lata está mais relacionado ao cotidiano dos brasileiros e, além disso, é presente em todas as regiões do país”, diz.

“Infelizmente, todo ano, milhares de animais domésticos sofrem maus-tratos. Há pesquisas que apontam que há cerca de 30 milhões de animais abandonados no Brasil. Outra pesquisa mais recente, do instituto PetBrasil, mostra 3,9 milhões de animais domésticos em condições de vulnerabilidade”, continuou.

A petição ainda diz que o ‘sem raça definida’ é um símbolo da sociedade brasileira e o animal mais popular do país. Além disso, a inclusão do cão poderia estimular à adoção e o controle da espécie. (VN)

Continue Reading

Brasil

Homem humilha entregador de aplicativo com ofensas racistas; veja vídeo


Um vídeo que mostra um homem humilhando um entregador de aplicativo com ofensas racistas, em um bairro de classe média alta de Valinhos, interior de São Paulo, viralizou nas redes sociais na manhã de hoje (7). As imagens foram publicadas pela mãe do entregador Matheus Pires e repercutidas pelo líder do movimento entregadores de apps antifascistas, conhecido como Galo.

“Você tem inveja disso aqui. Moleque, escuta aqui, você tem inveja dessas famílias aqui, você tem inveja disso aqui [aponta para a cor da pele]. Você nunca vai ter! Shhh! Você é semianalfabeto”, afirma o homem que humilha o entregador no vídeo. Constrangido, o trabalhador responde que tem onde morar. O homem ainda chama o entregador de “lixo” e pergunta quanto ele ganha por mês.

Assista:

Continue Reading