Connect with us

Política

Carlos publica vídeo que acusa Witzel de ‘forjar provas’ contra Bolsonaro no caso Marielle


O vereador do Rio de Janeiro e filho do presidente Jair Bolsonaro, Carlos Bolsonaro (PSC), compartilhou nas redes sociais, ontem (13), um vídeo que acusa o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), de usar a Polícia Civil para envolver a família Bolsonaro no caso do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista, Anderson Gomes, mortos em atentado ocorrido em março de 2018.

No vídeo compartilhado por Carlos, o deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ), apoiador da família Bolsonaro, faz um discurso de cerca de 20 minutos com acusações contra Witzel. Segundo ele, o governador do Rio está colocando “a máquina do Estado para forjar provas que envolvam a família do presidente no caso Marielle”. As provas forjadas seriam conversas entre milicianos do Rio.

“Só que, na verdade, não tem conversa nenhuma. A conversa é totalmente montada”, diz Otoni de Paula no vídeo. Ele ainda afirma que recebeu a informação de uma “fonte muito séria”, mas não menciona nomes. O deputado afirma que “pode ser que eles estejam preparando uma matéria, igual àquela do porteiro, para o ‘Jornal Nacional’ ou para o ‘Fantástico’”, que seria veiculada neste fim de semana. (Metro1)

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

‘Somos vítimas de campanha de desinformação sobre Pantanal e Amazônia’, diz Bolsonaro na ONU

Foto : Marcos Corrêa/PR

Em discurso gravado e exibido hoje (22), na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o Brasil se destaca na preservação ambiental e é vítima de “uma das mais brutais campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal”.

Segundo o chefe do Executivo nacional, o agronegócio “continua pujante e, acima de tudo, possuindo e respeitando a melhor legislação ambiental do planeta”. Ele ainda responsabilizou “o caboclo e o índio” pelos incêndios registrados nas florestas, além de afirmar que “nossa floresta é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior”.

A fala contrasta com os dados divulgados nas últimas semanas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que apontou recordes de desmatamento na Amazônia e no Pantanal.

Bolsonaro ainda falou sobre a situação da pandemia no país e voltou a dizer que a imprensa brasileira “politizou o vírus, disseminando o pânico entre a população”. “Sob o lema ‘fique em casa’ e ‘a economia a gente vê depois’, quase trouxeram o caos social ao país”, disse. (Metro1)

Continue Reading

Política

Processada por Lula, Regina Duarte ‘some’ do mapa

Foto : Isac Nobrega/PR

Processada pela família do ex-presidente Lula em abril por divulgar falsas acusações à ex-primeira-dama Marisa Letícia, a atriz Regina Duarte até agora não foi encontrada pela Justiça para ser intimada. Em despacho publicado nesta sexta-feira, a juíza responsável pelo caso afirma que o mandado de intimação para a ex-secretária de Cultura foi “devolvido sem cumprimento”.

Enquanto ainda ocupava a pasta no governo de Jair Bolsonaro, Regina publicou em seu perfil no Instagram a suposta informação de que foram encontrados 250 milhões de reais nas contas da falecida esposa do petista — a postagem foi apagada posteriormente, após a divulgação de que notícia estava errada.

O motivo para o “desaparecimento” de Regina é que o endereço usado para fazer a citação foi o profissional, neste caso específico, da secretaria de Cultura. A defesa de Lula chegou a pedir urgência na medida quando houve o anúncio da saída dela, mas a questão não foi apreciada. Desde então, os advogados do ex-presidente procuram um novo logradouro da atriz, mas sem sucesso.

Regina Duarte deixou o governo em maio, após três meses como secretária de Cultura.

No dia do anúncio de sua exoneração, Jair Bolsonaro disse que a atriz trocaria Brasília por São Paulo, onde ela tocaria a Cinemateca brasileira e ficaria perto da família. (Veja)

Continue Reading

Política

Senado retorna às atividades presenciais depois de seis meses


O Senado terá deliberações presenciais pela primeira vez desde o mês de março, quando todas as sessões passaram a ser remotas em função da pandemia de coronavírus. Esta semana, voltam a funcionar as comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e Relações Exteriores (CRE), que vão sabatinar e votar nomes indicados para cargos em tribunais e embaixadas. Em seguida, o Plenário tomará as decisões finais. 

A última atividade presencial dentro do Senado aconteceu no dia 17 de março, numa reunião da comissão mista que analisava a medida provisória (MP) 905/2019, que estabelecia uma nova modalidade de contrato de trabalho. Na ocasião, os parlamentares aprovaram o parecer da comissão a favor da proposta. 

Na próxima segunda-feira (21), a CRE vai realizar 34 sabatinas com diplomatas indicados para representações brasileiras em países estrangeiros e agências internacionais. Já há 32 indicações na pauta, e o presidente da comissão, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), informou que mais duas devem ser incluídas na lista. Na terça-feira (22) será a vez de a CCJ se reunir, para ouvir três indicados para o Superior Tribunal Militar (STM) e uma indicada para o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 

Após passarem por essas comissões, as indicações devem chegar ao Plenário do Senado para serem confirmadas, já a partir da terça-feira, e a votação deve se estender até quinta-feira (24). Encerrando a semana, na sexta-feira (25), os senadores participarão de uma sessão de debates sobre os desafios econômicos, sociais e ambientais do Brasil para o período pós-pandemia. Fonte: Metro1

Continue Reading

Siga-nos no Instagram:

Facebook