Connect with us

Polícia

Detento é suspeito de comandar fação de dentro de presídio na Bahia


Segundo a polícia, Washington David Santos da Silva, o Boca Mole, é responsável por 40 homicídios; defesa nega. Detento é suspeito de comandar fação de dentro de presídio na Bahia – Jornal CORREIO.

Nem mesmo os muros e as celas detêm o líder do Bonde do Ajeita. Apesar de cumprir pena no Presídio de Serrinha, considerado o único de segurança máxima do estado, o traficante Washington David Santos da Silva, 27 anos, o Boca Mole, continua dando ordens aos seus comparsas, diz uma fonte da Secretaria de Segurança Pública (SSP) .

Recentemente, a polícia realizou operações que resultaram em perdas para a facção – uma dissidência do Bonde do Maluco (BDM) – no bairro da Mata Escura. A ação mais recente aconteceu na tarde dessa segunda-feira (13), quando policiais militares libertaram um refém e mataram três integrantes do grupo. No dia 26 de dezembro do ano passado, a PM matou outros três e prendeu dois da organização criminosa.

“Os comandos saem de lá de dentro do presídio. Os seus seguidores estão espalhados em São Caetano, Capelinha de São Caetano, Boa Vista de São Caetano, Mata Escura e Santo Inácio. Nesses locais, muitas mortes foram cometidas sob o comando de Boca Mole”, afirma fonte.

Quando preso, em 2013, a Polícia Civil disse que ele era acusado de cometer 26 homicídios e suspeito de outras 40 mortes – a maioria ligada ao tráfico de drogas na região de São Caetano.

Além dessas acusações, Washington responde a três processos na Justiça baiana. O primeiro por tráfico de drogas. Por esse crime ele foi condenado a 11 anos de prisão após ter sido preso em 2013. Já os outros dois processos em andamento são por roubo e por crime organizado.

Washington estampava a carta 10 de paus do Baralho do Crime da SSP até o dia 16 de fevereiro de 2013. Ele foi capturado em companhia de Evanildo da Silva, que tinha um mandado de prisão em aberto por assalto a banco. Eles foram localizados em um veículo Agile branco roubado enquanto entregavam drogas em pontos de venda entre os bairros de Cajazeiras e São Caetano.

À época, investigadores da 4ª Delegacia (São Caetano) disseram ter encontrado uma metralhadora calibre 9 mm, de fabricação italiana, e um carregador com 19 projéteis em posse de Boca Mole. No carro, com placas adulteradas, ainda foram encontrados um saco com um quilo de maconha e uma balança de precisão.

Segundo a polícia, a dupla não esboçou reação ao ser surpreendida pelos policiais e Boca Mole ainda ofereceu R$ 100 mil para ser liberado da abordagem. Além de agir no controle e na distribuição de drogas, ele ainda está envolvido com quadrilhas de roubo de veículos e bancos.

As advogadas de defesa de Boca Mole, Lorena Correia e Rebeca Matos, negaram as acusações de homicídios. “Perante a justiça baiana, Washington não configura como réu em nenhum crime de homicídio. Pelo contrário, alguns inquéritos foram arquivados por falta de provas e outros ainda estão sendo investigados. Como a Polícia Civil pode alegar que ele é homicida?”, disse Correia.

Elas afirmaram ainda que Washington não tem ligação com o BDM. “Nunca informou ou confessou que faz parte de alguma organização criminosa e nem reponde processo ligados a facção denominada Bonde do Maluco”, rebateu Correia.

Já em relação ao fato de Washington ser apontado com líder do Bonde do Ajeita, a advogada Matos declarou: “Ele responde, de fato, a um processo por essa acusação, porém não há decisão judicial que o condene e o mesmo nega ser integrante da citada facção criminosa, até porque ele já se encontrava preso no Conjunto Penal de Serrinha, de segurança máxima do estado”.

Fonte: Correio.

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PRF apreende madeira nativa sem licença ambiental na Bahia


A Polícia Rodoviária Federal na Bahia (PRF-BA) realizou uma ação de combate a crimes ambientais na Bahia na noite do último domingo (5). Foi apreendida uma carga de 8 metros cúbicos de madeira nativa, que era transportada de forma irregular na BR-101, na altura do município baiano de Ibirapitanga, no sul do estado.

A apreensão ocorreu por volta das 21h30, quando agentes federais perseguiram um veículo e fez o flagrante no Km 392 da rodovia federal. Após abordagem ao caminhão Ford/F-4000, o motorista, de 28 anos de idade, tentou evadir-se da fiscalização, mas foi interceptado após dois quilômetros de acompanhamento tático.

A assessoria do órgão federal informou que durante a vistoria na carroceria, “verificou-se que a carga transportada era madeira nativa da mata atlântica, porém não foi apresentada a documentação necessária para o transporte da carga (DANFE/DOF-GF)”.

Após ser conduzido, o motorista assinou o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), por meio do qual se comprometeu a comparecer perante o Juizado Especial Criminal, para responder pelas suas condutas com base na Lei de Crimes Ambientais e mais as infrações administrativas.

O veículo e a carga foram recolhidos e encaminhados para os procedimentos administrativos de competência da Secretaria do Meio Ambiente e dos órgãos ambientais. Fonte: Varela Notícias

Continue Reading

Bahia

Homem é detido enquanto usava drone para capturar imagens de aldeia na Bahia



Um homem foi detido no último sábado (4) enquanto utilizava um drone para capturar imagens da Aldeia Patiburi, que fica na Terra Indígena Tupinambá de Belmonte, em Belmonte, no extremo sul da Bahia. Uma outra pessoa que também operava o aparelho conseguiu fugir.

Em nota divulgada neste domingo (5), a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS) manifestou preocupação com a Aldeia Patiburi, já que existe um histórico de disputa entre os indígenas que vivem no local e os fazendeiros da região, segundo o G1.

Entre os locais que o drone capturou imagens, está a casa da Cacica Cátia, que foi alvo de várias ameaças de morte e foi inserida no Programa de Proteção de Defensores de Direitos Humanos (PPDDH). Ao G1, ela contou que, na delegacia, o homem que operava o drone afirmou que foi contratado por um fazendeiro que já entrou em conflito com os indígenas.

“Eram dois, um conseguiu fugir. O que foi encaminhado para a delegacia disse que foi contratado por um fazendeiro para fazer uma filmagem da aldeia. Um fazendeiro que tem conflito conosco, tem trazido ameaças para a comunidade e para mim. O homem disse que não sabia o motivo da filmagem”, afirmou.

“Está muito tenso aqui. É um conflito muito forte com os fazendeiros da região, que estão tentando nos amedrontar. Já tivemos várias situações, temos também decisões no TRF e no STF favoráveis a nós. Com isso eles têm atacado fortemente. O último ataque foi o de ontem”, completou Cacica Cátia.

O Secretário de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia, Carlos Martins, afirmou que a situação desperta atenção para a situação de vulnerabilidade da aldeia e dos indígenas.

“A localidade é palco de incansáveis ataques, partindo de fazendeiros da região, que a qualquer preço querem tomar o território. Em virtude do conflito, a comunidade já sofreu um bloqueio econômico que resultou na perda da sua produção de cacau, acarretando numa crise de subsistência séria. Agora, o drone levanta suspeita de uma nova investida contra a produção econômica da comunidade, já que estamos na época da produção e colheita do cacau”, destacou.

“Diante do cenário de insegurança e confronto vividos pelo povo Tupinambá de Belmonte, um drone sobrevoando a aldeia causa estranheza e preocupação. Essa é uma comunidade que vive sob constantes ameaças e medo”, concluiu o secretário.

Segundo a Cacica Cátia, o homem que foi detido enquanto operava o drone foi encaminhado para a delegacia de Belmonte, que investiga o caso. O G1 procurou a assessoria de comunicação da Polícia Civil para obter informações sobre o depoimento do suspeito, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem. (BN)

Continue Reading

Polícia

Força-tarefa desarticula feira clandestina de carros na Paralela


Uma força-tarefa da Prefeitura de Salvador, liderada pela pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), com apoio da Polícia Militar, desasticulou uma feira de carros clandestina localizada na Avenida Paralela, na manhã deste domingo, 5.

Segundo a Sedur, mais de 200 veículos estavam concentrados de forma irregular, próximo ao Parque de Exposições. O evento reunia cerca de 300 pessoas. Com a chegada das equipes, também com o suporte da Superintendência de Trânsito do Salvador (Transalvador), os populares que estavam aglomerados começaram a sair do local.

“Não podemos permitir aglomerações na cidade e nem atividades que ferem a legislação. Agimos de forma rápida e eficiente e vamos manter o monitorando na região”, explica o titular da Sedur, Sérgio Guanabara. 

Ainda segundo a secretaria, equipes irão seguir no local para garantir que não aconteça nova aglomeração de pessoas. Fonte: A Tarde

Continue Reading