Conecte-se agora


Esporte

Vitória estreia nesta terça na Copa do Brasil; confira relacionados


O Vitória fará sua estreia amanhã (10) na Copa do Brasil. A partida será contra a Imperatriz, às 21h30, no Estádio Frei Epifânio Maracanã, no Maranhão.

O técnico Geninho já relacionou os atletas que vão para o confronto. Entre eles, são notadas algumas ausências, como os atacantes Alisson Farias, Felipe Garcia e Jordy Caicedo, além do zagueiro Gabriel Furtado.

O quarteto se recupera de lesões. Furtado, Garcia e Caicedo, no entanto, já foram reintegrados aos treinos do elenco principal nesta semana e devem voltar a campo em breve. Também machucado, o goleiro Martín Rodríguez dá titularidade a Ronaldo, que foi o destaque rubro-negro triunfo por 2 a 0 do último sábado (8), contra o Bahia, pela Copa do Nordeste.

Confira a lista completa de relacionados: 

Goleiros: Lucas Arcanjo e Ronaldo

Laterais: Carleto, Jonathan Bocão, Rafael Carioca e Van

Zagueiros: João Victor, John e Maurício Ramos

Volantes: Gerson Magrão, Guilherme Rend, Jean e Rodrigo Andrade

Meias: Fernando Neto e Matheus Tenório

Atacantes: Júnior Viçosa, Léo Ceará, Rodrigo Carioca e Vico

Fonte: Metro1

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Coronavírus: Conmebol antecipará prêmio para ajudar clubes a pagar contas


Conmebol anunciou nesta quinta-feira 26 que irá antecipar aos clubes até 60% do pagamento referente a participação na Copa Libertadores da América e na Copa Sul-Americana. A decisão foi tomada para ajudar as equipes durante a imprevista suspensão das principais competições esportivas do mundo, devido à pandemia de coronavírus.

“Situações como essa exigem respostas rápidas e excepcionais, com o objetivo tanto de preservar a saúde da grande família do futebol sul-americano quanto para reduzir, na medida do possível, o impacto econômico da interrupção das competições”, comunicou Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol, em nota.

Várias equipes ao redor do mundo estão com dificuldades e buscando acordos para reduzir o salário dos jogadores e conseguir sustentar a folha salarial. Na Alemanha, por exemplo, os próprios atletas do Bayern de Munique e Borussia Dortmund aceitaram de forma voluntária a redução de seus pagamentos para ajudar seus clubes a manter as contas em dia, já que toda a renda de público e de participação em torneios está suspensa. (Veja)

Continue Lendo

Esporte

Olimpíada de Tóquio é adiada em um ano em meio à pandemia do novo coronavírus


O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, confirmou hoje (24) que pediu ao Comitê Olímpico Internacional o adiamento de um ano dos Jogos Olímpicos, que estavam programados para o dia 24 de julho. O anúncio foi feito por Abe a jornalistas depois de uma conversa telefônica com o presidente do COI, Thomas Bach.

Segundo a agência Reuters, o primeiro-ministro disse que o COI aceitou o pedido. Desta forma, as Olímpiadas deverão ser realizadas em 2021.

A conversa telefônica incluiu, além de Abe e de Bach, a governadora de Tóquio, Yuriko Koike, e o líder da organização dos Jogos, Yoshiro Mori. Segundo a emissora japonesa NHK, Abe pediu para que Bach tomasse uma decisão o mais rápido possível.

Na era moderna, os Jogos Olímpicos já foram cancelados em quatro ocasiões: 1916, 1940 e 1940. (Metro1)

Continue Lendo

Esporte

COI já admite adiar Jogos e estabelece prazo de quatro semanas para decisão final


O presidente do COI (Comitê Olímpico Internacional), o alemão Thomas Bach, anunciou neste domingo (22), em carta endereçada aos atletas olímpicos, que a entidade deve se posicionar sobre um eventual adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio por causa da pandemia de coronavírus em quatro semanas.

É a primeira vez que a entidade fala abertamente em adiar os Jogos, cuja cerimônia de abertura está marcada para o dia 24 de julho deste ano.

“Começamos discussões para avaliar como se desenvolve a situação sanitária no mundo e o seu impacto na Olimpíada, considerando um cenário de adiamento. Trabalhamos duro para terminar essas discussões em até quatro semanas”, diz um trecho da carta.

No comunicado, Bach também afirma que tomar uma decisão hoje seria uma atitude prematura, uma vez que a Olimpíada é um evento complexo e não seria possível definir uma nova data, já que o desenvolvimento da pandemia é incerto, com a situação melhorando em alguns países e piorando em outros.

Entre os obstáculos que teriam de ser superados para o adiamento dos Jogos, Bach citou a possibilidade de algumas instalações chave para a realização do evento não poderem mais ser utilizadas, a necessidade de reorganizar o calendário internacional de ao menos 33 modalidades olímpicas e o remanejamento de milhares de reservas de hotéis já realizadas, “entre muitos, muitos outros desafios mais”.

Na mesma carta, o presidente do COI descartou o cancelamento dos Jogos, alegando que esse tipo de medida “não resolveria nenhum problema e não ajudaria ninguém”.

“O cancelamento dos Jogos Olímpicos destruiria o sonho olímpico de 11 mil atletas de 206 comitês olímpicos nacionais, do time olímpico de refugiados, possivelmente dos atletas paraolímpicos e de todas as pessoas que estão dando suporte a vocês [atletas] como técnicos, médicos, dirigentes, parceiros de treino, amigos e família”, diz Bach.

O tom do comunicado, que começa enfatizando a necessidade da colaboração de todos para deter a pandemia, marca uma mudança de postura do comitê internacional. Em nota anterior, publicada na última terça-feira (17), o COI incentivava “todos os atletas a continuarem se preparando para os Jogos Olímpicos da melhor forma que puderem”.

“Vidas humanas são mais importantes que tudo, inclusive a realização dos Jogos. O COI quer ser parte da solução. Portanto, nós tomamos como maior princípio garantir a segurança e a saúde de todos os envolvidos, e contribuir para conter o vírus”, diz Bach no início da carta deste domingo.

Após o comunicado da última terça, comitês olímpicos nacionais, entidades esportivas e vários atletas pressionaram o órgão a adiar os Jogos por causa da pandemia.

Entre os órgãos que pressionaram o COI a adiar os Jogos estão os comitês olímpico e paraolímpico brasileiros, o Comitê Olímpico Espanhol, o Comitê Olímpico da Noruega e as federações americanas de natação e atletismo.

Logo depois da manifestação de Bach deste domingo, o Comitê Paralímpico Internacional (IPC) divulgou nota apoiando a decisão do COI.

“As próximas quatro semanas nos darão tempo para avaliar se a situação sanitária global melhora e para examinar diferentes cenários caso precisemos mudar a data dos Jogos”, diz trecho do comunicado assinado pelo presidente do IPC, Andrew Parsons. Fonte: Bahia Notícias

Continue Lendo

Mais Lidas