Connect with us



Economia

Revisão que inclui todos os salários na aposentadoria custaria R$ 46 bi em 10 anos


A revisão de aposentadorias considerando todos os salários do trabalhador, mesmo os anteriores a julho de 1994, data do Plano Real, pode gerar um custo adicional ao INSS (Instituto Nacional de Seguro Social) de R$ 46,4 bilhões em dez anos.

O cálculo do impacto financeiro foi feito pelo Ministério da Economia. O governo é contrário à decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça), que permite o recálculo.

Segurados que tinham altas contribuições antes do Plano Real podem se beneficiar dessa revisão. Para isso, precisam acionar a Justiça.

Tribunais estaduais já começaram a aplicar a decisão do STJ, concedendo acréscimo no valor da aposentadoria ou pensão com base em todas as contribuições pagas, mesmo as anteriores a julho de 1994.

O desfecho final desse caso deverá se dar no STF (Supremo Tribunal Federal) diante de recurso da AGU (Advocacia-Geral da União), que representa o INSS, contra a decisão.

O Ministério da Economia sustenta que o entendimento do STJ seja derrubado e não seja permitido o aumento nos valores da aposentadoria gerado pela chamada revisão da vida toda, ou seja, da inclusão também de salários anteriores ao Plano Real no cálculo.

O custo imediato estimado pelo governo é de R$ 20 bilhões, considerando o pagamento de parcelas passadas.

Para os próximos dez anos, a conta é que R$ 26,4 bilhões seriam desembolsados para elevar benefícios que podem ser atendidos pela revisão.

Até a reforma da Previdência (novembro do ano passado), o valor da aposentadoria era calculado com base nos 80% maiores salários a partir de julho de 1994. A decisão do STJ, portanto, amplia essa base e tem potencial de aumentar o benefício de quem recebia altos salários.

O IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário) considera justa a revisão. “Usar todo salário de contribuição do segurado para calcular a aposentadoria é correto. Se houve contribuição num valor maior [que o calculado], nada mais justo”, disse a presidente do IBDP, Adriane Bramante.

Para o Ministério da Economia, a revisão dos benefícios é um processo complexo e de alto custo, porque o “período anterior a 1994 foi marcado por elevadas taxas de inflação, ameaça de hiperinflação e diversas trocas de moeda”.

Na avaliação do economista Paulo Tafner, especialista na área de Previdência e um dos consultores informais do governo, a decisão do STJ é extravagante. Tafner e técnicos do governo consideram a chamada revisão da vida toda uma medida que privilegia os mais ricos num sistema de aposentadoria que já prejudica os mais pobres.

Segurados que querem se beneficiar da decisão do STJ devem ficar atentos a alguns pontos. Há um prazo para pedir a revisão na Justiça.

Esse limite é de dez anos contados a partir da data de recebimento da primeira aposentadoria. Portanto, o prazo para quem se aposentou em 2010 está próximo ao fim.

Além disso, a legislação permite que o pagamento retroativo seja de apenas cinco anos. Isso significa que, mesmo em caso de decisão favorável no processo judicial, o INSS irá pagar o adicional referente aos últimos cinco anos.

Bramante ressalta que nem todos podem se beneficiar com o recálculo levando em consideração as contribuições anteriores ao Plano Real.

O Ministério da Economia não tem ainda uma estimativa de quantas pessoas poderiam obter aposentadorias maiores caso a Justiça confirme a revisão da vida toda. A AGU tentará barrar no Judiciário a decisão que forçaria uma alta nos desembolsos do INSS.
*Bahia Notícias.

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

AL-BA aprova isenção no pagamento das contas de água por 3 meses; veja quem tem direito


Após pedido do governador Rui Costa (PT), os deputados estaduais da Bahia aprovaram, por unanimidade, o projeto que isenta do pagamento da conta de água baianos em situação de vulnerabilidade. A votação virtual, feita através do Sistema de Deliberações Remoto (SDR), ocorreu na manhã deste sábado (4).

Com a expectativa de beneficiar 860 mil baianos, o projeto 23.812/2020 autoriza o Poder Executivo a bancar a conta de água dos cidadãos inscritos no cadastro social da Embasa e que consomem até 25 m³ por mês. A isenção vai se estender pelo período de 90 dias.

Assim como no caso do pagamento das contas de luz, este benefício visa atender à população mais carente enquanto o país enfrenta a crise do coronavírus, que já infectou pelo menos em 290 pessoas em solo baiano. (BN)

Continue Reading

Brasil

Com ampliação de isenção, governo irá pagar conta de energia de 3,5 milhões de baianos


Com o emendas dos deputados estaduais, o governador Rui Costa (PT) vai ampliar de 80 kW para 100 kW o consumo máximo de energia para que o cidadão tenha sua conta paga pelo governo estadual. A medida visa isentar a população em situação de vulnerabilidade social, que já sente os impactos da crise provocada pela pandemia de coronavírus.

Ao anunciar a novidade, na tarde desta sexta-feira (3), o governador agradeceu o apoio dos parlamentares. “Eles fizeram a doação de suas emendas individuais. (…) Ou seja, toda a população que consumir até 100 kW vai ter sua conta paga por três meses. Significa que 3,5 milhões de baianos terão a sua conta quitada durante três meses”, destacou o petista.

Além disso, o governo estadual pretende isentar do pagamento da conta de água por 90 dias pessoas inscritas no cadastro social da Embasa. Para ser contemplado com a medida, o consumo do cidadão deve ser limitado a 25 metros cúbicos por mês. A previsão é de que a Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) vote o projeto neste sábado (4). (Bahia Notícias)

Continue Reading

Economia

Dólar sobe e é vendido a R$ 5,26


O dólar voltou a fechar em alta hoje (2), batendo mais um recorde nominal, sem considerar a inflação, apesar do clima mais tranquilo nos mercados com a forte recuperação dos preços do petróleo.

A moeda norte-americana encerrou o dia vendida a R$ 5,2652, em alta de 0,05%. O dólar turismo fechou a R$ 5,65.

O principal índice da bolsa de valores brasileira, a B3, subiu em sessão marcada pelos mercados globais do petróleo voláteis, enquanto a pandemia do Covid-19 continua no centro das atenções.

Continue Reading

Mais Lidas