Conecte-se agora

Política

‘Um lixo’, diz Bolsonaro sobre Greenpeace


Na manhã de hoje (13), o presidente Jair Bolsonaro reagiu às críticas da organização ambiental Greenpeace sobre a reformulação do Conselho Nacional da Amazônia Legal, e chamou a ONG de “lixo”. 

“Quem é Greenpeace? Quem é essa porcaria chamada Greenpeace? Isso é um lixo. Outra pergunta”, disse Bolsonaro ao deixar o Palácio da Alvorada. 

Em nota, o Greenpeace destacou que a o conselho será formado exclusivamente pelo governo federal, sem participação dos governadores dos estados da Amazônia.

“Se você quiser que eu bote governadores, secretários de grandes cidades, vai ter 200 caras. Sabe o que vai resolver? Nada. Nada”, disse o presidente. “Nós não vamos tomar decisões sobre Estados da Amazônia sem conversar com governador, com a bancada do Estado. Se botar muita gente é passagem aérea, hospedagem, uma despesa enorme, não resolve nada”, completou.
*Metro1.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Bolsonaro: ‘Respeitamos o Legislativo, mas quem executa o Orçamento somos nós’


O presidente da República, Jair Bolsonaro, disse, na noite de ontem (22), que vai buscar a manutenção do veto que garante ao Executivo federal definir o destino de R$ 30 bilhões do orçamento deste ano, de acordo com o jornal O Globo.

“Estamos lutando em Brasília pela manutenção de um veto de R$ 30 bilhões. Se o veto for derrubado, quem vai fazer a destinação é o Poder Legislativo. Respeitamos o Poder Legislativo, mas quem executa o orçamento somos nós”, afirmou o mandatário, depois de uma pizzaria no Guarujá, no litoral de São Paulo, onde passa o Carnaval.

As regras do orçamento impositivo chanceladas pelo Congresso preveem que parlamentares passem a ser os responsáveis por definir o destino de cerca de R$ 30 bilhões do total de recursos deste ano. Bolsonaro vetou esse trecho e o Congresso chegou a se articular para derrubar o veto.

Na semana passada, foi anunciado um acordo em que o governo aceitava ceder aos parlamentares o direito de indicar a ordem da execução das emendas no Orçamento. Na última terça-feira, durante cerimônia no Palácio do Planalto, o ministro chege do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, deixou claro ser contra este acordo.

“Nós não podemos aceitar esses caras chantagearem a gente o tempo todo. Foda-se”, disse o ministro, em frase ouvida pelos ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Paulo Guedes  (Economia), e captada pela transmissão ao vivo da presidência pela internet. (Metro1)

Continue Lendo

Política

Bolsonaro confirma viagem aos EUA para tentar trazer fábrica da Tesla para o Brasil


O presidente Jair Bolsonaro confirmou hoje (21) que irá aos Estados Unidos em março para tentar trazer para o Brasil uma fábrica da Tesla, montadora americana de veículos elétricos. A informação foi divulgada por meio das redes sociais.

“Em março estarei nos Estados Unidos. Em nossa extensa agenda a possibilidade da Tesla no Brasil”, publicou o presidente. A postagem veio acompanhada da imagem de uma planta da empresa com o título “Governo quer instalar no Brasil fábrica da montadora norte-americana de veículos elétricos Tesla.

Ontem (20), o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, já havia publicado sobre o interesse do governo brasileiro na instalação da fábrica. Ele afirmou ter participado de videoconferência sobre o assunto com o ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, e o ministro-conselheiro da embaixada dos EUA no Brasil, William Popp.

*Metro1.

Continue Lendo

Política

Jornalistas são hostilizados por apoiadores de Bolsonaro no Palácio da Alvorada


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar a imprensa e acusou jornalistas de deturpar as suas falas durante a saída dele do Palácio da Alvorada na manhã de hoje (20). “Se vocês escreverem o que eu falo, eu falo com vocês”, disse entrando no carro oficial do governo.

Após o comentário, apoiadores do presidente aplaudiram a fala de Bolsonaro em um cercado que fica próximo à área destinada aos repórteres e começaram a hostilizar os jornalistas. Os profissionais da imprensa foram chamados de “canalhas”. 
*Metro1.

Continue Lendo

Mais Lidas