Connect with us



Justiça

Viúva de Adriano da Nóbrega é considerada peça-chave para esclarecer fuga



A viúva do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, Júlia Emília Mello Lotufo, de 28 anos, é considerada peça-chave para esclarecer como o ex-capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) ficou foragido por um ano, mantendo uma vida de luxo.

De acordo com reportagem do jornal O Globo, publicada hoje (16), ela é suspeita de levar para o marido o dinheiro da contravenção e da milícia de Rio das Pedras, que o manteve longe do radar da Polícia Civil.

Ao monitorar Júlia, os investigadores chegaram à cidade de Esplanada, na Bahia, onde o ex-capitão foi morto por policiais militares. A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) afirma que ele morreu em confronto com a equipe policial, mas o advogado do miliciano diz que ele relatou que temia ser alvo de “queima de arquivo”.

Júlia trabalhou na Alerj na mesma época em que a mãe de Adriano, Raimunda Veras Magalhães, e a ex-mulher dele, Danielle Mendonça, foram assessoras parlamentares no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro.

Em 31 de agosto de 2016, o presidente da Casa à época, Jorge Picciani, nomeou Júlia para exercer o cargo em comissão de assistente VII, na Subdiretoria-Geral de Recursos Humanos.

Ela ganhava R$ 3,5 mil até 10 de julho de 2017, quando foi exonerada. Raimunda e Danielle só saíram do Legislativo em novembro de 2018, pouco antes da deflagração da Operação Intocáveis, que combateu a milícia de Rio das Pedras, em janeiro do ano passado. Um dos principais investigados, Adriano começou a fugir na ocasião.

A defesa do ex-deputado Jorge Picciani disse que não conhecia Júlia e disse que todos os atos de nomeação são assinados pelo presidente em conjunto com o primeiro secretário.

A primeira passagem da mulher de Adriano pelo serviço público ocorreu antes, quando ela tinha 21 anos. Em agosto de 2012, foi nomeada por Régis Fichtner, então chefe da Casa Civil do governo Sérgio Cabral, para exercer o cargo em comissão de assistente no Depósito Público do Estado do Rio. Ela ficou no cargo por quase sete meses. Procurado, Fichtner não foi localizado.

Durante um mês e meio, Júlia ainda acumulou duas matrículas, ainda de acordo com a reportagem do jornal O Globo. Em resolução de janeiro de 2013, ela foi nomeada pelo então chefe da Casa Civil da prefeitura do Rio, Pedro Paulo Carvalho Teixeira, para o cargo em comissão de assessor I. Ela deixou o posto em dezembro do mesmo ano. Pedro Paulo não quis comentar o caso. (Metro1)

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Justiça

STF julga inviável ação que pedia suspensão do ENEM 2020


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux julgou como inviável a ação enviada pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT) que pedia a suspensão do calendário do Enem 2020, por conta da pandemia do novo coronavírus. Fux argumentou que a ação escolhida pelo partido, que foi através de uma Arguição de Descumprimento de Prefeito Fundamental (ADPF), “não é o meio processual adequado para o questionamento”. 

Ao Supremo, o PDT apontou que manter o calendário do exame nacional quebra a isonomia e fere o direito à educação dos estudantes mais pobres, pois não considera as desigualdades regionais. O dia 17 de abril é a data limite para solicitar a isenção da taxa de inscrição, oferecida a estudantes de escolas públicas, que estão fechadas em todo o país por conta da pandemia. 

O deputado federal Idilvan Alencar (PDT) defende o adiamento do calendário. “Estudantes carentes não fazem inscrição como os ricos, eles usam computador da escola para isso, pedem ajuda dos professores, muitos não têm internet em casa”, afirmou. O ministro, no entanto, entendeu que existem outros meios eficazes que não a ADPF para resolver o caso. Fonte: Metro1

Continue Reading

Famosos

Após sofrer caso de racismo, Maju Coutinho pensa em processar ex-diretor da Band


Rodrigo Branco, ex-diretor da Band, e queridinho de famosos como Preta Gil, Adriane Galisteu, Luiz Bacci, entre outros, será processado por Maria Júlia Coutinho, a Maju, jornalista e apresentadora do ‘Jornal Hoje’, da TV Globo, após um caso explicito de rascismo na rede social.

Por meio de uma live no Instagram, o empresário participou de uma conversa com a influenciadora digital Ju de Paulla e falou que Maju Coutinho é péssima e horrível. “Eu assisti hoje e ela fala tudo errado. Ela só está lá por causa da cor”, afirmou ele, que continuou: “Ela não tem uma carreira, ela nunca foi repórter de campo, ela fala tudo errado e eu como diretor de TV, vou te falar, ela lê o TP errado.”

Segundo a coluna de Fábia Oliveira, do jornal O Dia, Maju já teria acionado os seus advogados para avaliar a possibilidade de processar Branco.

Além de falar da jornalista, Rodrigo também disse que “torcer por Thelma é racismo”, e que sua torcida existe apenas porque “ela é negra coitada”. Os administradores das redes sociais de Thelma Assis, participante do ‘BBB 20’, já se manifestaram avisando que vão tomar medidas cabíveis em defesa da sister.

Indignados com as falas de racismo de Rodrigo Branco, a conta dele foi denunciada e saiu do ar na tarde de ontem (31). (Isto é)

Continue Reading

Justiça

Governo libera que carro novo rode sem placa na quarentena


A orientação da OMS (Organização Mundial de Saúde) é clara: isolamento para combater a Covid-19. Se você já frequentou um Detran, sabe que é praticamente impossível manter a distância de 1 metro entre as pessoas. Por isso, a maioria dos estados está suspendendo as atividades de serviços públicos não essencias entre 21 de março e 30 de abril.

O atendimento à população continua e diversos serviços são oferecidos online, mas convenhamos – emplacar um carro à distância é impossível. Por isso, se você comprou um carro zero-quilômetro nos últimos dias ou pensa em comprar um, saiba que o Detran estará fechado para o emplacamento.

Será possível rodar pelas ruas sem as placas, mas não esqueça a nota fiscal. Autoesporte entrou em contato com o Ministério da Infraestrutura que informou a mudança. Veja a resposta da íntegra.

A Deliberaçãoo CONTRAN n. 185 interrompeu, até quando perdurarem as medidas de isolamento por conta do Covid-19, o prazo de 30 dias para que o veículo novo possa circular sem placa, somente com a nota fiscal.

E a CNH?

O governo permitiu a partir da última sexta-feira (20) a condução de veículos com a CNH vencida. A isenção é válida para todas as carteiras de motorista que deixaram de ser válidas no dia 19 de fevereiro deste ano. (Auto Esporte)

Continue Reading

Mais Lidas