Connect with us



Polícia

Jovem é preso transportando 4 mil comprimidos de ecstasy em Vitória da Conquista


Um jovem de 22 anos foi preso em flagrante com 4.000 comprimidos de ecstasy e aproximadamente 10 gramas de cristais de MDMA em um  ônibus interestadual. O fato ocorreu na sexta-feira (21/2) no km 836 da BR 116, trecho de Vitória da Conquista, 517 km distante de Salvador.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), durante a fiscalização no veículo, o passageiro demonstrou sinais de nervosismo e se contradisse ao informar o destino e motivo da viagem. Na mochila dele os agentes encontraram os milhares de comprimidos de ecstasy e uma pequena porção de cristais de Metilenodioximetanfetamina (MDMA) (droga que produz alterações no sistema nervoso central e são geralmente usados em festas frequentadas por jovens, provocando euforia e alucinações. Se usado em altas doses, pode provocar convulsões e parada cardiorrespiratória.).

O homem alegou que recebeu os entorpecentes em Florianópolis e que recebeu R$ 3 mil para transportá-los até Sergipe.  O suspeito foi encaminhado para a delegacia de Conquista  e deverá responder pelo crime de tráfico de drogas. Fonte: AratuOn

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

‘Mais procurado da Bahia’: suspeito de pelo menos 20 mortes se entrega após ser incluído no Baralho do Crime


Quinze dias após ser inserido no Baralho do Crime da Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA), um homem que ocupava o status de “mais procurado da Bahia” se entregou, nesta quinta-feira (4/6). A 4ª Delegacia de Homicídios (DH) de Camaçari, onde o procurado se apresentou, investiga a participação direta e indireta dele em pelo menos 20 mortes.

Foragido da Justiça desde o dia 7 de maio deste ano quando o mandado de prisão foi expedido, o homem, apontado como líder de uma facção em Camaçari, tem passagem na polícia e pelo sistema prisional.

Entre 2012 e 2018 ele ficou custodiado na Cadeia Pública, em Salvador, pelos crimes de homicídio e porte ilegal de arma de fogo. “Estamos com investigações avançadas apontando a participação dele em outras mortes desde que ganhou a liberdade”, comentou o titular da 4a DH, delegado Yves Silva Correia.

Ele acrescentou ainda que outros integrantes do bando seguem sendo procurados pela unidade. Fonte: AratuOn

Continue Reading

Polícia

MPF conclui que Adélio agiu sozinho em ataque a Bolsonaro


O Ministério Público Federal (MPF) em Juiz de Fora concluiu que Adélio Bispo de Oliveira agiu sozinho no ataque contra o então candidato à presidência da República Jair Bolsonaro. 

O órgão se manifestou hoje (4) pelo arquivamento provisório do segundo inquérito que apura o caso.

A decisão de arquivamento ocorre após a conclusão do relatório parcial da Polícia Federal em maio, quando o segundo inquérito apontou que Adélio “agiu sozinho, por iniciativa própria e sem ajuda de terceiros, tendo sido responsável tanto pelo planejamento da ação criminosa quanto por sua execução.” (Metro1)

Continue Reading

Polícia

Filho de doméstica morre após cair do 9º andar; patroa é autuada por homicídio culposo


O garoto Miguel Otávio Santana da Silva, 5 anos, morreu após cair do 9º andar do Condomínio Píer Maurício de Nassau, um dos imóveis do conjunto conhecido como “Torres Gêmeas”, no bairro de São José, área central do Recife. A proprietária do apartamento onde estava o menino foi parcialmente responsabilizada pela morte da criança. A moradora, que era empregadora da mãe do garoto e teve a identificação preservada pela Polícia Civil de Pernambuco, foi autuada em flagrante nesta quarta-feira (3/6) pelo crime de homicídio culposo (sem intenção). Como previsto em lei, pagou fiança – determinada pelo delegado em R$ 20 mil – e foi liberada para aguardar a conclusão do inquérito em liberdade. As primeiras investigações apontaram que a mulher teria permitido que o garoto subisse sozinho no elevador antes de cair do 9º andar – uma altura de 35 metros.

Os detalhes das etapas iniciais da investigação foram detalhados em videocoletiva de imprensa com o delegado que está à frente do caso, Ramón Teixeira, titular da Delegacia Seccional de Santo Amaro. Imagens das câmeras do circuito interno de TV do condomínio foram a principal prova da “negligência” – como a polícia definiu – da mulher no episódio. Já está totalmente descartado, entretanto, qualquer relação da moradora com a queda da criança – o que provocou a sua morte antes mesmo de chegar ao Hospital da Restauração (HR), para onde foi socorrida. As imagens mostram que Miguel tentou entrar no elevador em busca da mãe – a empregada doméstica Mirtes Renata Santana da Silva, que passeava com o cachorro dos patrões na rua – uma primeira vez, sendo detido pela mulher. Numa segunda tentativa, após a criança apertar no interruptor de vários andares, a moradora – provavelmente irritada com a insistência do garoto em sair do apartamento à procura da mãe – o deixa seguir no elevador, apenas observando a porta do equipamento se fechar. Há imagens, inclusive, que mostram o momento em que a proprietária aperta o interruptor de um andar superior ao 5°, onde ela residia, e deixa o menino seguir. O delegado confirmou o ato, mas disse que a Polícia Civil também não iria disponibilizar a imagem para a imprensa.

Mesmo assim, o delegado não identificou sequer o dolo eventual – quando a pessoa, mesmo sem querer aquele resultado, colabora de alguma forma para que ele aconteça. “Não houve sequer o dolo eventual. Em nenhum momento identificamos essa intenção. Houve apenas a negligência de, na segunda tentativa da criança em fugir pelo elevador, deixar que ela seguisse. Ela apenas permitiu que a criança ficasse só no elevador, sem querer, de forma alguma, contribuir para a morte. Por isso a definição por homicídio culposo, com a exigência de fiança”, explicou o delegado.

Essa percepção do crime pela Polícia Civil foi reforçada pelo fato de que a queda da criança foi acidental – fato comprovado pelas perícias criminais realizadas e pelos depoimentos de testemunhas obtidos até agora. Segundo o delegado Ramón Teixeira, foi um acidente, uma tragédia, sem a participação de uma segunda pessoa além do garoto. “Isso ficou comprovado pelo excelente trabalho do perito criminal André Amaral. Do momento em que o garoto entra no elevador até a queda está tudo muito claro. Toda a dinâmica do que aconteceu foi esclarecida pelas perícias. A dúvida que estava no ar era como a criança tinha chegado ao elevador sozinha, o que foi esclarecido com as imagens das câmeras no corredor dos apartamentos”, explicou.

Reação da família
Apesar da certeza da polícia, no velório de Miguel Otávio Santana da Silva, realizado em Santo Amaro, área central do Recife, familiares questionaram a negligência das pessoas que ficaram responsáveis pelo garoto enquanto a mãe trabalhava. A tia da criança Lourdes Cristina, irmã da mãe de Miguel, questionou o fato de dois adultos, a moradora e a manicure, não conseguirem cuidar de uma criança. Segundo ela, o menino começou a chorar e a patroa não chamou a mãe dele de volta. “Miguel não costumava ir para o trabalho da mãe, mas como estava sem a creche devido à pandemia, insistiu para ir com ela. Ficou brincando a manhã inteira, mas quando a patroa pediu para Mirtes descer com o cachorro, ele ficou chorando. Só que, no lugar de chamar minha irmã de volta, ela deixou ele descer e, infelizmente, aconteceu o que aconteceu. A gente fica sem entender como é que, tem dois seres humanos adultos numa casa e não olhar uma criança?”, indagou em entrevista à TV Globo.

Entenda como aconteceu o acidente:
1) O garoto de 5 anos é deixado pela mãe no apartamento, no 5º andar, com a patroa e uma manicure. Ela desce para passear com o cachorro da patroa
2) O garoto quer ir em busca da mãe e tenta entrar no elevador, mas é contido pela proprietária do apartamento
3) O garoto tenta escapar novamente e, após ele apertar o interruptor de vários andares, a moradora o deixa seguir no elevador. Há imagens que mostram a proprietária apertando o interruptor de um andar superior ao 5°
4) O garoto, já dentro do elevador, segue sozinho até o sétimo andar. A porta abre, mas ele não desce
5) No nono andar, decide sair e caminha pelo corredor até uma janela. Escala a janela e cai na área onde ficam os exaustores dos ar-condicionados dos apartamentos
6) Em busca da mãe, a criança sobe no parapeito de alumínio, que não suporta o peso e quebra, fazendo com ela seja lançada a uma altura de 35 metros

O delegado Ramón Teixeira não nega que a responsabilidade legal pela criança naquele momento era da proprietária do apartamento, mas entende que isso não é suficiente para classificar como um homicídio com dolo eventual. E admite que o envolvimento da moradora só começou a ser investigado porque parentes afirmaram que a mãe da criança tinha deixado o filho aos cuidados da patroa e de uma manicure antes de descer para passear com o cachorro. “Foi por isso que resolvemos investigar os passos do garoto até o momento em que ele entra no elevador, chegando à responsabilidade da moradora”, disse. 

O acidente
Na videocoletiva para a imprensa a Polícia Civil explicou que o garoto, já dentro do elevador, seguiu sozinho até o sétimo andar. A porta abriu, mas ele não desceu. No nono andar, decidiu sair. Tudo comprovado por imagens do circuito de TV do condomínio. “A perícia detalha que a criança sai do elevador de serviço e caminha pelo corredor até uma janela. Consegue passar pela janela, escalando uma altura de 1,2 metro, e cai na área onde ficam os exaustores dos equipamentos de ar-condicionado dos apartamentos daquele andar. Acredita-se que, lá de cima, ele possa ter visto a mãe passeando com o cachorro na rua. Então sobe no parapeito de alumínio, que não suporta o peso e quebra, fazendo com o garoto seja lançado a uma altura de 35 metros”, detalhou o delegado na videocoletiva.

A proprietária vai responder em liberdade pelo Artigo 13 do Código Penal, parágrafo 2º, alíneas b e c. O corpo de Miguel foi enterrado nesta quarta (3) em Bonança, distrito do município de Moreno, na Região Metropolitana do Recife.

Veja o que diz o artigo 13 do Código Penal:

Art. 13.
O resultado, de que depende a existência do crime, somente é imputável a quem lhe deu causa. Considera-se causa a ação ou omissão sem a qual o resultado não teria ocorrido.
§ 2º – A omissão é penalmente relevante quando o omitente devia e podia agir para evitar o resultado.
b) de outra forma, assumiu a responsabilidade de impedir o resultado.
c) com seu comportamento anterior, criou o risco da ocorrência do resultado.

* O nome da suspeita não foi divulgado pela Polícia Civil em cumprimento da Lei de Abuso de Autoridade nº 13.869/2019, que, entre outros pontos, proíbe a divulgação de imagens e nomes por parte dos policiais e servidores públicos membros dos Poderes Legislativo, Executivo, Judiciário e do Ministério Público. A pena é de até quatro anos de prisão, caso a autoridade descumpra a legislação.

As informações são do Jornal do Commercio

Continue Reading