Connect with us

Política

Coronavírus: ‘Não sei dizer em que momento podemos voltar com segurança’, afirma Rui


O governador Rui Costa (PT) disse hoje (14) que ainda não há uma previsão de quando a vida pode voltar à normalidade no estado, por conta da pandemia do novo coronavírus. Segundo o petista, o Estado faz um esforço de alongar o sistema de saúde para evitar o pior momento de atendimento aos doentes. Isso salva vidas, mas prolonga as restrições de convívio social. 

“Estamos projetando com a atual taxa de crescimento no estado na primeira semana de junho [o pico de saturação do sistema de saúde]. Por isso, estamos apertando as cidades com maior taxa para tentar alongar isso. Quanto mais alonga para salvar vidas, mais estende o prazo da restrição do convívio e fica pouco previsível. Não sei dizer em que momento podemos voltar com segurança”, afirmou, durante entrevista na Globo News. 

Rui afirmou ainda que o mercado de venda de insumos médicos está restrito e que “atravessadores” compraram todos os materiais já no início da pandemia. “O comportamento do mercado está muito ruim, muita gente especulando. Já vi pessoas falando na imprensa de que o mercado, o trade, os atravessadores, quando perceberam a crise, compraram toda produção mundial, não só da China. Conseguimos agora, depois do governo Alemão liberar a exportação, falar com uma fábrica, e ela disse que toda produção está vendida até dezembro desse ano”, relatou.

Presidente do Consórcio do Nordeste, Rui contou ainda sobre uma situação com uma empresa americana que foi contratada para trazer respiradores para a região. O material comprado na China ficou retido em Miami. “A empresa americana que traria do mercado chinês os respiradores. Passaria por Miami e viria para o Brasil. Ela então nos relatou que tinha decisão do governo americano de não repassar, por conta da falta de respiradores lá. Acionamos a embaixada e depois de alguns dias de polêmica, a empresa mudou de posição e disse que a decisão não foi pelo governo, mas pela sensibilidade com o povo americano. Entre mandar para os baianos, eles preferiram atender os americanos”, narrou.  (Metro1)

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Se houver segurança e seguindo recomendações da saúde, diz Neto sobre adiar Carnaval 2021



O prefeito de Salvador, ACM Neto, falou hoje (12) sobre a possibilidade de adiamento do Carnaval 2021, em razão da pandemia do coronavírus. O comentário foi feito após um seguidor, em sua conta no Instagram, questionar se a festa poderia acontecer em maio.

“Ainda não temos como saber, amigo. O que eu disse foi o seguinte: vou me reunir com prefeitos das cidades que fazem Carnaval para pensar em alternativas viáveis. Uma das possibilidades é o adiamento conjunto da festa. Isso só será feito se houver segurança e, é claro, seguindo as indicações de médicos, cientistas e organizações de saúde. Abraço!”, escreveu o prefeito. Fonte: Metro1

Continue Reading

Política

Contraprova aponta que Geddel Vieira Lima não está com coronavírus


A contraprova do ex-ministro Geddel Vieira Lima, 61 anos, realizada através do teste swab nasal, apontou negativo para coronavírus. Ele havia testado positivo na última quarta-feira (8), após realizar o teste rápido. Geddel está preso no Complexo Penitenciário de Salvador, no bairro da Mata Escura, desde dezembro do ano passado, quando foi transferido do Presídio da Papuda, em Brasília.

O resultado da contraprova foi divulgado pelo secretário Nestor Duarte, da Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização da Bahia (Seap) na tarde deste sábado (11).

No dia 26 de junho, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou, em julgamento realizado por sessão virtual, o pedido da defesa de Geddel Vieira Lima para a progressão de pena para a prisão domiciliar.

A defesa do ex-ministro usou como justificativa para o pedido a pandemia de coronavírus. Relator do processo, Fachin solicitou, em maio, informações sobre as atuais condições e as medidas de controle da Covid-19 adotados no Complexo Penitenciário da Mata Escura, local em que Geddel está.

A Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização da Bahia respondeu a solicitação de Fachin no início deste mês. O documento apresentado ao ministro do STF informa que Geddel está em cela individual, em bloco com capacidade para abrigar 16 internos, mas que atualmente possui nove.

Na época, a Seap afirmou também que apenas um interno do Complexo da Mata Escura havia sido diagnosticado com coronavírus, enquanto seis policiais penais, dois vigilantes e cinco funcionários do corpo administrativo estavam com a doença, porém, todos estavam afastados.

No julgamento do pedido feito pela defesa de Geddel no mês passado, a evolução para prisão domiciliar imediata foi negada e condicionada ao pagamento de multa de aproximadamente R$ 1,6 milhão, além da reparação a título de danos morais coletivos no montante de R$ 52 milhões.

Geddel Vieira Lima foi preso em setembro 2017, após a Polícia Federal encontrar malas contendo R$ 51 milhões em um apartamento atribuído a ele, em Salvador. Ele estava no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, até dezembro do ano passado, quando foi transferido para a capital baiana.

Geddel atuou como ministro nos governos dos ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Michel Temer. Em outubro de 2019, ele foi condenado a 14 anos e 10 meses pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa. (Bahia.Ba)

Continue Reading

Política

Eleições municipais podem não contar com identificação biométrica para evitar aglomeração


O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, tem se reunido com médicos para decidir se exclui ou não a identificação biométrica do pleito deste ano. A informação é da coluna Radar, da Veja.

Um dos motivos para essa decisão é a impossibilidade de higienização com álcool em gel antes da leitura digital, já que isso pode danificar o aparelho. Além disso, a biometria causa demora no ato de votação, o que pode gerar aglomerações.

O cuidado é para minimizar a exposição dos eleitores ao novo coronavírus. Por causa da pandemia, que já deixou quase 70 mil mortos e mais de 1,7 milhão de contaminados, há também preocupação com a higienização das seções eleitorais.

Um projeto de lei apresentado na Câmara dos Deputados estabelece práticas de higienização de desinfecção para os dias de votação nas eleições deste ano. O PL 3.714/2020 estabelece, entre as medidas, higienização das mãos antes de iniciar o registro junto à mesa, antes de entrar na cabine de votação e antes de sair da sala da seção eleitoral.

A proposta do deputado Hildo Rocha (MDB-MA) inclui, ainda, a limpeza dos calçados antes de entrar na seção. “A higienização das mãos ou do calçado é medida protetiva e eficaz contra um enorme número de doenças contagiosas. Com o envelhecimento da população, aumenta significativamente o número de pessoas mais vulneráveis ao contágio”, argumentou. Fonte: AratuOn

Continue Reading