Connect with us

Política

Contraprova aponta que Geddel Vieira Lima não está com coronavírus


A contraprova do ex-ministro Geddel Vieira Lima, 61 anos, realizada através do teste swab nasal, apontou negativo para coronavírus. Ele havia testado positivo na última quarta-feira (8), após realizar o teste rápido. Geddel está preso no Complexo Penitenciário de Salvador, no bairro da Mata Escura, desde dezembro do ano passado, quando foi transferido do Presídio da Papuda, em Brasília.

O resultado da contraprova foi divulgado pelo secretário Nestor Duarte, da Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização da Bahia (Seap) na tarde deste sábado (11).

No dia 26 de junho, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou, em julgamento realizado por sessão virtual, o pedido da defesa de Geddel Vieira Lima para a progressão de pena para a prisão domiciliar.

A defesa do ex-ministro usou como justificativa para o pedido a pandemia de coronavírus. Relator do processo, Fachin solicitou, em maio, informações sobre as atuais condições e as medidas de controle da Covid-19 adotados no Complexo Penitenciário da Mata Escura, local em que Geddel está.

A Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização da Bahia respondeu a solicitação de Fachin no início deste mês. O documento apresentado ao ministro do STF informa que Geddel está em cela individual, em bloco com capacidade para abrigar 16 internos, mas que atualmente possui nove.

Na época, a Seap afirmou também que apenas um interno do Complexo da Mata Escura havia sido diagnosticado com coronavírus, enquanto seis policiais penais, dois vigilantes e cinco funcionários do corpo administrativo estavam com a doença, porém, todos estavam afastados.

No julgamento do pedido feito pela defesa de Geddel no mês passado, a evolução para prisão domiciliar imediata foi negada e condicionada ao pagamento de multa de aproximadamente R$ 1,6 milhão, além da reparação a título de danos morais coletivos no montante de R$ 52 milhões.

Geddel Vieira Lima foi preso em setembro 2017, após a Polícia Federal encontrar malas contendo R$ 51 milhões em um apartamento atribuído a ele, em Salvador. Ele estava no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, até dezembro do ano passado, quando foi transferido para a capital baiana.

Geddel atuou como ministro nos governos dos ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Michel Temer. Em outubro de 2019, ele foi condenado a 14 anos e 10 meses pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa. (Bahia.Ba)

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

País não vai comprar Coronavac mesmo se vacina for aprovada pela Anvisa, diz Bolsonaro

Foto : Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro disse que a Coronavac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech contra a Covid-19 e testada no Brasil pelo Instituto Butantan, não será comprada pelo governo federal, mesmo após uma eventual aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Bolsonaro alego ontem (21), em entrevista à rádio Jovem Pan, que existe um “descrédito muito grande” em relação ao imunizante e sugeriu que não aceitará ser vacinado contra a doença.

“A da China nós não compraremos, é decisão minha. Eu não acredito que ela transmita segurança suficiente para a população [inaudível]. Esse é o pensamento nosso. Tenho certeza que outras vacinas que estão em estudo poderão ser comprovadas cientificamente, não sei quando, pode durar anos”, disse o presidente. “A China, lamentavelmente, já existe um descrédito muito grande por parte da população, até porque, como muitos dizem, esse vírus teria nascido por lá”, acrescentou, sem apresentar provas do que estava dizendo.

Na quarta-feira, o presidente desautorizou o ministro Eduardo Pazuello e afirmou que o imunizante contra o novo coronavírus “não será comprado” pelo governo brasileiro. A decisão ocorreu menos de 24 horas após o Ministério da Saúde anunciar que tem a intenção de adquirir 46 milhões de doses da Coronavac, vacina candidata contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac Biotech testada no Brasil pelo Instituto Butantan. 

Leia a matéria original em Metro1

Continue Reading

Política

‘Já mandei cancelar’, diz Bolsonaro sobre protocolo de intenções de garantir vacina CoronaVac


O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje (21) que mandou cancelar o protocolo de intenções de compra de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan e pela farmacêutica chinesa Sinovac. O anúncio do protocolo de intenções havia sido feito ontem (20) pelo Ministério da Saúde.

“Houve uma distorção por parte do João Doria no tocante ao que ele falou. Ele tem um protocolo de intenções, já mandei cancelar se ele [Pazuello] assinou. Já mandei cancelar. O presidente sou eu, não abro mão da minha autoridade. Até porque estaria comprando uma vacina que ninguém está interessado por ela, a não ser nós”, afirmou Bolsonaro durante visita a um centro militar da Marinha em Iperó (SP).

Nesta quarta, Bolsonaro já havia afirmado em suas redes sociais que o governo não iria adquirir “vacina da China”. Fonte: Metro1

Continue Reading

Política

Carlos Bolsonaro se engana e usa perfil do pai para dizer que está focado em ser vereador


Carlos Bolsonaro usou nesta quarta-feira (21) o perfil do pai por engano em resposta à coluna de Guilherme Amado, na Revista Época. Pouco depois a publicação foi apagada e refeita na conta de Carlos.

“Estou impossibilitado de ser o “Controlador Geral da União” nomeado pel(x) Guilherme Amado, pois momentaneamente ocupo o cargo de vereador da cidade do Rio de Janeiro! Há impedimento legal!”, escreveu Carlos, que é vereador do Rio de Janeiro, pelo perfil de Jair Bolsonaro. 

Na coluna citada pelo vereador, o jornalista afirma que Carlos advertiu o pai ontem (20) sobre as críticas que estavam acontecendo nas redes de seguidores bolsonaristas contra o anúncio da compra da vacina chinesa, feito por Eduardo Pazuello. Fonte: Metro1

Continue Reading

Siga-nos no Instagram:

Facebook