Connect with us

Política

Bolsonaro decide manter integrantes do ‘gabinete do ódio’ no governo


O presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) pretende manter em seus postos os principais integrantes do “gabinete do ódio”, como ficou conhecido o grupo de assessores do Palácio do Planalto que estaria por trás de ataques a adversários nas redes sociais. O departamento teria como comandante o vereador do Rio Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). De acordo com o jornal Estado de S. Paulo, a decisão do presidente se manteve mesmo após o avanço das investigações do Supremo Tribunal Federal (STF) no inquérito das fake news. 

Na semana passada, o Facebook derrubou uma rede de 73 contas e perfis ligados a integrantes do gabinete do presidente, a seus filhos, ao PSL e a aliados, por “comportamento inautêntico coordenado”. 

Ainda de acordo com a publicação, Bolsonaro se sentiu pessoalmente atingido pela ação, já que a plataforma identificou ao menos cinco funcionários e ex-auxiliares que disseminavam ataques a adversários políticos, além de conteúdo com desinformação. O relatório do Facebook indicou Tercio Arnaud Thomaz, nome de confiança de Carlos Bolsonaro, como um dos responsáveis por movimentar perfis falsos. Tercio é assessor especial do presidente e integra o “gabinete do ódio” ao lado de José Matheus Salles Gomes e Mateus Matos Diniz. 

Na live semanal da última quinta-feira, um dia depois da ação do Facebook, Bolsonaro saiu em defesa dos auxiliares e criticou a derrubada de páginas e perfis de aliados, sem se referir diretamente à empresa. “A onda agora é para dizer que as páginas da família Bolsonaro e de assessores, que ganham dinheiro público para isso, promovem o ódio. Eu desafio a imprensa a apontar um texto meu de ódio ou dessas pessoas que estão do meu lado”, disse o presidente.

Na avaliação de assessores do presidente, o fato de aliados bolsonaristas serem alvo de mandados de busca e apreensão no inquérito que apura atos antidemocráticos, é necessário moderar suas intervenções nas redes sociais. A avaliação no Planalto é que o presidente vem perdendo seguidores nas redes com o crescimento de seu discurso radical. Segundo interlocutores, o próprio Bolsonaro teria admitido, em conversa com ministros e auxiliares diretos, que essa guerra digital desgastou o governo. No Planalto, a avaliação é a de que o ambiente precisa estar mais sereno.

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Flávio Bolsonaro pede troca de promotores de investigação de ‘rachadinhas’

Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) pediu ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) a troca dos promotores que atuam na investigação relacionada ao chamado “esquema das “rachadinhas”.

As irregularidades apuradas — confisco de parte dos salários de assessores — teriam ocorrido no gabinete do parlamentar, então deputado estadual no Rio de Janeiro.

A defesa questiona a designação de promotores de Justiça do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção do MP do Rio na investigação, depois que o Tribunal de Justiça do estado reconheceu a existência de foro privilegiado no caso.

O senador afirma que a competência dessa investigação passou a ser de procuradores de Justiça e pede que as designações dos promotores sejam invalidadas.

O parlamentar pede “a atuação do próprio procurador-geral de Justiça ou a designação de outro procurador de Justiça, conforme a legislação”.

A investigação da qual Flávio Bolsonaro é alvo apura um esquema na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) em que funcionários eram obrigados a devolver parte do salário ao gabinete do parlamentar.

Na terça-feira (4), o relator do pedido de Flávio Bolsonaro ao CNMP, conselheiro Luiz Fernando Bandeira de Mello, notificou o procurador-geral de Justiça, José Eduardo Ciotola Gussem, a prestar informações no prazo de 15 dias.

Em nota, o conselho informou que, após a chegada das informações, o conselheiro irá analisar que providências serão tomadas.

Em junho, a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio decidiu enviar o processo das “rachadinhas” para a segunda instância, por entender que Flávio Bolsonaro tem direito ao foro privilegiado de deputado estadual, mandato que exerceu até 2018, quando foi eleito senador.

No começo de julho, o senador já havia questionado a competência dos promotores, ao ser intimado a prestar depoimento. A convocação partiu do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc) do MP, que já vinha investigando o caso em primeira instância.

Na época, o Ministério Público disse que a Chefia Institucional delegou aos promotores do Gaecc os poderes para prosseguirem nas investigações, mesmo com a mudança de instância. E que, a partir de então, o grupo responde diretamente ao procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussem.

“Diante disso, as investigações seguem seu curso normal, sem paralisações desnecessárias por conta de mudanças de competência jurisdicional. O caso segue sob sigilo”, disse em nota o MP.

O senador prestou depoimento pela primeira vez sobre o esquema das “rachadinhas” no dia 7 de julho. Ele foi ouvido por videoconferência. Segundo apurou a TV Globo, ele respondeu as perguntas feitas pelos promotores – o teor não foi divulgado porque o caso corre em segredo de Justiça. (G1)

Continue Reading

Política

‘Outras coisas do mundo civilizado chegarão à região Norte’, afirma Bolsonaro

Foto : Alan Santos/PR

Em cerimônia hoje (5) de um programa para levar energia elétrica para áreas remotas da Amazônia Legal, o presidente Jair Bolsonaro disse que “coisas do mundo civilizado” chegarão à região Norte do país.

“Mais do que 300 mil pessoas atingidas com esta medida hoje assinada via portaria. Outras coisas do mundo civilizado chegarão a estes nossos irmãos da região Norte​”, disse o presidente pouco antes de encerrar seu discurso.

No auditório do Ministério de Minas e Energia, ao lado do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), Bolsonaro assinou uma portaria que designa a Eletronorte como agente executor do Programa Mais Luz para a Amazônia no Amapá.

Bolsonaro disse ainda que “políticas no mínimo equivocadas e antipatriotas” impediram o Brasil de consolidar a integração do país e mencionou a sua ida à Bahia e ao Piauí para inaugurar obras de abastecimento: “não damos valor porque temos isso em casa”.

“Para aquela gente sofrida, o sentimento que a gente tem é realmente inenarrável.” (Metro1)

Continue Reading

Política

Justiça bloqueia R$ 11,3 milhões em contas de Geraldo Alckmin a pedido da Polícia Federal

Foto: Agência Brasil

Valores localizados em contas do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), até o limite de R$ 11,3 milhões, foram bloqueados na última quinta-feira (30/7), por determinação da Justiça Eleitoral de São Paulo. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (5/8) pela Polícia Federal, que pediu o bloqueio. 

A decisão é do juiz eleitoral Marco Antonio Martin Vargas. Segundo o Ministério Público, a quantia é correspondente ao que foi pago em caixa dois pela Odebrecht durante campanhas de Alckmin nas eleições de 2010 e 2014, quando ele foi eleito e reeleito ao Palácio dos Bandeirantes. 

A empreiteira destinou 2 milhões de reais à campanha de Geraldo Alckmin em 2010, por meio do cunhado dele, Adhemar César Ribeiro, e 9,3 milhões de reais na disputa de 2014, supostamente repassados por Sebastião Alves em 11 “parcelas”. Os valores constavam de planilhas do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, responsável pelo pagamento de propinas e doações de caixa dois a políticos. (Aratu On)

Continue Reading