Connect with us

Saúde

Estudo mostra que dengue pode fornecer imunidade contra a Covid-19

Foto : Leopoldo Silva/Agência Senado

Um estudo liderado por um cientista brasileiro, professor da Duke Univerdity, nos Estados Unidos, mostrou que a exposição à dengue pode fornecer algum nível de imunidade contra a Covid-19.

A pesquisa, liderada por Miguel Nicolelis, foi publicada na plataforma medRxiv. Segundo ele, locais que sofreram surtos mais intensos de dengue são os mesmos que tiveram taxas mais baixas de infecção por coronavírus.

“Se comprovada como correta, essa hipótese pode significar que a infecção por dengue ou a imunização com uma vacina eficaz e segura contra a dengue poderia produzir algum nível de proteção imunológica”, disse o pesquisador, em entrevista ao portal R7.

“Isso indica que há uma interação imunológica entre dois vírus que ninguém poderia esperar, porque os dois vírus são de famílias completamente diferentes”, pontuou.

Ainda de acordo com o pesquisador, a descoberta aconteceu por acaso. “Foi um choque. Foi um acidente total. Na ciência, isso acontece, você está atirando em uma coisa e acerta um alvo que nunca imaginou que acertaria”, observou. (BNews)

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: Amargosa não registra casos nas últimas 24h


DICOM – PREFEITURA MUNICIPAL DE AMARGOSA

Boletim médico: 21 de novembro de 2020

Nas últimas 24 horas foram realizadas 05 coletas de exames PCR.

Não foram registrados novos casos no mesmo período.

Atualmente, Amargosa registra 23 casos ativos, 497 recuperados e 14 óbitos decorrentes da Covid-19.

Continue Reading

Saúde

Ministério da Saúde já tem calendário de vacinação detalhado contra a Covid-19


Ministério da Saúde revelou na quinta-feira (19/11) que já elaborou estratégias de vacinação contra a Covid-19 para assim que um imunizante for aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O plano prevê duas campanhas de conscientização sobre a importância da vacina. A primeira, que será sobre o processo de produção e aprovação de um imunizante, acontece entre os meses de dezembro e janeiro.

O imunizante tem mais de 400 versões em desenvolvimento pelo mundo, metade registrada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Além disso, 154 estão em estágio de pesquisa pré-clínica e 44 em estudos clínicos. Destes, 10 estão em fase 3 de testes.

A vacina ainda é vista com desconfiança por parte da população, como exemplo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que já questionou a necessidade de uma vacinação obrigatória contra a doença e já colocou em xeque, sem provas, a segurança da CoronaVac, testada pelo laboratório chinês Sinovac e pelo Instituto Butantã. Por diversas vezes ele ainda reforçou que não há nenhuma vacina aprovada contra a doença.

O projeto vai integrar o Programa Nacional de Imunizações e prevê dez eixos principais com responsabilidades divididas entre diversas instituições, como Fiocruz, Butantã, Sociedade Brasileira de Imunologia e de órgãos federais. O secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Arnaldo Medeiros, destaca que o eixo 1 é dedicado para avaliação da situação epidemiológica.

“O objetivo é identificar grupos de maior risco. Para isso, deverá ser levado em conta o perfil da vacina: faixa etária na qual está registrada e que é mais eficaz, esquema de vacinação, dados de segurança, duração da vacina em frasco aberto e condições de armazenamento. Vamos avaliar o andamento dos estudos das vacinas para definirmos o eixo 1, que vai definir os prioritários”, disse o secretário.

O eixo 2 prevê a atualização das vacinas em estudo. O eixo 3 reforça o monitoramento e orçamento, com objetivo de avaliar se a vacina entrará como rotina ou campanha anual para incorporar ao orçamento na do Programa Nacional de Imunizações para aquisição. A operacionalização da campanha será definida no eixo 4 que também discute a estratégia de vacinação, distribuição de doses por Estado e público-alvo.

O secretário executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, afirmou que técnicos da pasta ouviram propostas sobre o fornecimento de imunizantes da Pfizer, Johnson & Johnson, Moderna, Sputnik V e Covaxin.

O eixo de farmacovigilância diz respeito ao monitoramento de eventos adversos pós-vacinação e pós-licenciamento da vacina, fase em que está prevista a administração da vacina em massa. Em seguida, estão previstos estudos de monitoramento e pós-marketing para análise de cortes para averiguar se a incidência da doença ou evento adverso à saúde difere entre o os grupos e estudos de efetividade e segurança.

Os eixos 7 e 8 contemplam, respectivamente, os sistemas de informação e monitoramento com objetivo de registrar o indivíduo, avaliar a cobertura vacinal da população e acompanhamento de eventos adversos. Os eixos 9 e 10 tratam do plano de comunicação de campanha para vacinação, que será aplicado nos próximos meses. O objetivo é conscientizar sobre o processo de produção e aprovação de uma vacina, para dar segurança à população em relação a eficácia dos imunizantes que o Brasil vier a utilizar, bem como da sua capacidade. Fonte: AratuOn

Continue Reading

Saúde

Pfizer solicita aprovação de emergência para comercializar vacina contra a Covid-19


O governo americano anunciou pedido emergencial da Pfizer/BioNTech hoje (20) para comercializar a vacina contra o coronavírus desenvolvida pela empresa. Espera-se que autorização da agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos (FDA) saia em dezembro.

Os Estados Unidos são o país com mais casos de infecção e mortes pelo vírus. Mais de duas mil mortes foram registradas em apenas hoje, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

De acordo com informação divulgada pela empresa farmacêutica Pfizer e BioNTech, após os resultados finais da fase 3 do ensaio clínico da vacina, ela é 95% eficaz no combate ao Covid-19. Fonte: Metro1

Continue Reading

Siga-nos no Instagram:

Facebook