Connect with us

Brasil

Prefeitura no Pará faz show com aglomeração em retomada no estado

Foto : Reprodução/Instagram

A cantora Mariana Fagundes foi atração da cidade de Tailândia, no Pará, na noite de ontem (17), após oito meses afastada dos palcos devido a pandemia. A apresentação reuniu milhares de pessoas na principal praça da cidade, que fica a cerca de 200km da capital do estado, Belém.

O show, segundo a imprensa local, foi contratado pela prefeitura de Tailândia e durou seis horas. Cidades do Pará foram liberadas pelo governo estadual para adotar suas próprias medidas sanitárias contra a pandemia de coronavírus.

Dados da Secretaria de Saúde Pública do Governo do Pará apontam que o estado registra 241.242 casos de Covid-19 e mais de 6,6 mil mortes. Na internet, usuários das redes sociais criticaram o show e a falta de segurança por conta da ausência de uma vacina contra o coronavírus. Shows e apresentações em todo o país foram suspensos por conta do alto índice de contágio. 

Na última sexta-feira (16), durante uma coletiva de imprensa, técnicos do governo do Pará afirmaram que, atualmente, a taxa de contágio de coronavírus é estável no estado e está com tendência de queda desde o último mês de maio. Atualmente, a taxa de ocupação de leitos no estado é de 49% em 268 vagas ofertadas.

“Observamos uma queda no número de casos e óbitos desde o último mês de maio. Para acompanhar o desenvolvimento da pandemia no estado, estamos utilizando a metodologia da média móvel dos últimos 14 dias. Esse prazo é utilizado por ser um consenso entre as autoridades de saúde que é o período do ciclo de desenvolvimento da doença”, explicou o diretor Vigilância em Saúde, Denilson Feitosa.

Leia a matéria original em Metro1

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Assassinato no Carrefour: delegada nega racismo, mas não explica motivo de crime


Delegada responsável pela investigação do assassinato no Carrefour, em Porto Alegre, Roberta Bertoldo, da  2ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Porto Alegre, afirmou que o crime não foi racismo. A vítima do homicídio foi  João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos que foi espancado até a morte por seguranças do mercado. 

De acordo com a Folha, a autoridade policial não explicou o motivo de não enquadrar o fato em racismo. Nesta sexta (20), Dia da Consciência Negra, o vice-presidente Hamilton Mourão lamentou o espancamento de João Alberto, mas também disse que não considerar que o episódio tenha sido provocado por racismo.

João Alberto Silveira Freitas conhecido Beto. “Ele ganhou esse apelido da madrinha com um aninho de idade”, disse o pai dele, João Batista Rodrigues Freitas.

Para o pai, a morte do filho foi um episódio de racismo. “Foi um episódio de racismo. Basta ver a força da agressão. Primeira coisa que perguntei foi: ele estava roubando? Se não estava, por que ser agredido? E por que ser agredido brutalmente pelos seguranças? Aliás, não posso chamá-los de seguranças porque isso desmerece os profissionais que são seguranças de verdade”, disse à reportagem. Fonte: Metro1

Continue Reading

Brasil

Mourão admite que governo é responsável por parcela do desmatamento na Amazônia

Foto : Bruno Batista/VPR

O vice-presidente Hamilton Mourão se pronunciou hoje (20) sobre comércio ilegal de madeira no Brasil. Segundo ele, o Governo tem culpa no desmatamento na Amazônia. “Tudo que acontece ou deixa de acontecer é culpa do governo”, afirmou.

Para combater situação, o representante afirma que o Governo tem como estratégia “estrangular o comércio” com a Operação Verde Brasil, que, de acordo com ele, já fez apreensão de 175 mil metros cúbicos de madeira desmatada ilegalmente.

“Ilegalidade prospera no mundo inteiro. São vários aspectos de crimes transnacionais que as nações têm se unido para combater. Faz parte das ameaças do século 21”, disse, ainda sobre o tráfico da madeira da Amazônia no mundo.

Leia a matéria original em Metro1

Continue Reading

Brasil

Protestos são convocados contra morte de negro espancado no Carrefour

Foto : Reprodução

Após João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, ser espancado até a morte em um supermercado Carrefour, em Porto Alegre, diversos internautas marcaram um protesto hoje (20), às 18h no local. Manifestações foram agendadas também para São Paulo, hoje, às 16, no Masp.

A candidata a prefeita da cidade, Manuela D’Ávila (PCdoB) se manifestou sobre o assunto e disse que existe um “pedido de investigação sendo feito por parlamentares e pela bancada antirracista recém-eleita”.

“O racismo que estrutura as relações de nossa sociedade precisa ser enfrentado de frente. As mulheres e homens brancos precisam assumir a sua responsabilidade na luta antirracista. Quantos Betos? Qual pessoa branca você viu ser vítima dessa violência?”, questionou em suas redes sociais. 

A deputada federal Fernanda Melchionna, e o influenciador Felipe Neto também chamaram atenção para o protesto.

Leia a matéria original em Metro1

Continue Reading

Siga-nos no Instagram:

Facebook