Connect with us

Mundo

França amplia toque de recolher contra covid-19

Foto: Reuters/Ralph Orlowski/direitos reservados

A França estendeu o toque de recolher a cerca de dois terços de sua população nessa quinta-feira (22). A Espanha cogita ação semelhante, e o ministro das Relações Exteriores da Bélgica foi hospitalizado com covid-19 em uma unidade de tratamento intensivo em meio à segunda onda da pandemia na Europa.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, anunciou que um toque de recolher imposto na semana passada a Paris e mais oito cidades será estendido a 38 departamentos, confinando 46 milhões dos 67 milhões de habitantes do país em suas casas das 21h às 6h.

“Uma segunda onda da epidemia do novo coronavírus está em curso agora na França e na Europa. A situação é muito séria”, disse Castex em entrevista coletiva. 

Na Espanha, cujo ministro da Saúde, Salvador Illa, disse que a epidemia agora está “fora de controle” em muitas áreas, acredita-se que autoridades regionais pressionarão o governo a impor um toque de recolher de âmbito nacional.

Depois que a Europa parecia ter recuperado algum controle sobre a epidemia na esteira dos lockdowns dramáticos de março e abril, uma disparada de casos ao longo das últimas semanas reposicionou o continente no centro da crise.

Embora as hospitalizações e mortes ainda não tenham sobrecarregado os sistemas de saúde, como na onda do início deste ano, as autoridades de muitos países receiam que a situação esteja se aproximando rapidamente de um ponto de inflexão.

A Alemanha, que relatou mais de 10 mil casos diários pela primeira vez, ampliou os alertas de viagem para a Suíça, Irlanda, Polônia, a maior parte da Áustria e regiões italianas que incluem Roma.

“Ainda temos chance de frear uma disseminação maior do vírus”, disse Lothar Wieler, do Instituto Robert Koch, a agência alemã de doenças infecciosas, em Berlim.

Mais de 5,3 milhões de pessoas de toda a Europa contraíram a doença e mais de 204 mil já morreram, de acordo com o Centro Europeu para Controle e Prevenção de Doenças (ECDC). Em comparação, os Estados Unidos somam 8,3 milhões de casos e a Índia, 7,7 milhões.

Às voltas com os custos enormes do novo coronavírus, líderes europeus estão desesperados para evitar o retorno dos lockdowns generalizados que travaram suas economias na primavera.

Mas como os casos aumentam e os serviços de saúde estão cada vez mais pressionados, foram obrigados a impor e expandir restrições locais a áreas ainda mais amplas, visando a reduzir as aglomerações públicas.

Leia a matéria original em Agência Brasil

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Mulher que achava estar grávida de 7 dá à luz 9 bebês; recorde mundial de múltiplos nascimentos

Uma mulher que achava estar grávida de sete bebês descobriu, no momento do parto – nesta quarta-feira (5/5), que na verdade daria à luz nove filhos.

De acordo com reportagem do Daily Mail, Arby Halima Cissé pode ter quebrado o recorde mundial de múltiplos nascimentos, depois que os exames de ultrassom deixaram passar dois bebês.

Durante a gestação, a mãe precisou ser transferida de Mali (seu país natal) para Marrocos, para garantir um parto mais seguro para ela e os bebês – mesmo quando acreditava-se se tratar de uma gestação de sete crianças.

Após passar por uma cesariana, Arby e seus nove recém-nascidos (cinco meninas e quatro meninos) passam bem e devem voltar para casa dentro de algumas semanas, ainda segundo o Daily Mail.

Antes do parto, os médicos teriam dito para a mãe que havia menos de 50% de chance de que um único bebê sobrevivesse, informou o site de notícias local Mali 24.

Não há informações esclarecendo se a gravidez foi natural ou fruto de um tratamento de fertilização, que é uma das causas mais comuns de nascimentos múltiplos. O tempo de gestação no momento do parto e o peso com que nasceram os bebês também não foram divulgados.

Leia a matéria original em AratuOn

Continue Reading

Mundo

Tragédia no México: queda de viaduto por onde passava metrô deixa mais de 20 mortos e, pelo menos, 70 feridos

Mais de 20 pessoas morreram e pelo menos 70 ficaram feridas no México, com a queda de um viaduto no momento exato em que passava o metrô. Há crianças entre os mortos. O viaduto caiu sobre uma das estradas mais movimentadas da Cidade do México.

As equipes de socorro foram chamadas imediatamente ao local, onde permanecem.  Muitos dos trabalhos de ajuda, no entanto, tiveram que ser interrompidos porque há risco de que outras partes da estrutura do viaduto possam desabar.

O próprio trem do metrô, de acordo com agências de informação, está muito instável. Há o risco de que outros vagões caiam. O acidente aconteceu por volta das 22h30 locais. 

Imagens divulgadas pela estação de televisão mexicana Milenio TV mostram o momento exato da queda do viaduto. Pelas imagens, é possível ver também que na via abaixo do viaduto muitos carros circulavam.

As últimas informações indicam que as autoridades locais aguardam a chegada de um guindaste para ajudar nas operações e estabilizar a estrutura do metrô.

Dos feridos, pelo menos 65 foram levados para o hospital. Sete estão em “estado grave” alguns já submetidos a cirurgias, disse a presidente da Câmara do México, Claudia Sheinbaum.

As primeiras investigações indicam que uma viga na estrutura do viaduto teria cedido, o que provocou o acidente. Mas as causas continuam sendo apuradas, acrescentou Sheinbaum.

O viaduto foi construído há cerca de uma década. À época, o atual ministro das Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, era o responsável pela Câmara da Cidade do México. “O que aconteceu hoje com o metrô é uma tragédia terrível. Minha solidariedade às vítimas e famílias”, disse Ebrardsaid no Twitter. E acrescentou: “As causas devem ser investigadas e as responsabilidades definidas.”

Leia a matéria original em AratuOn

Continue Reading

Mundo

Por falta de oxigênio, mulher tenta manter mãe infectada com a Covid-19 viva com respiração boca a boca e vídeo viraliza

foto:arquivo/Mateus Pereira/GOVBA

Beirando os 20 milhões de casos confirmados da Covid-19, a Índia vive um dos momentos mais críticos da segunda onda da pandemia. No domingo (2/5), o Hospital Distrital de Bahraich, cidade próxima à fronteira do país com o Nepal, acabou protagonizando uma das cenas mais comoventes registradas neste período.

Uma mulher, que não teve a identificada, tentou manter a mãe viva por meio de respiração boca a boca ao presenciar o sofrimento da genitora para respirar. A paciente estava com a dificuldade de respiratória decorrente do agravamento da doença e no local faltavam suprimentos para realizar o atendimento.

Assim como outras unidades de saúde da região, o hospital foi afetado pelo desabastecimento de oxigênio. Por meio de vídeo, que viralizou nas redes sociais nesta segunda, a filha da vítima é flagrada fazendo a respiração enquanto a mãe aparece deitada na maca da unidade hospitalar.

Segundo informações do site “India.com”, as tentativas da filha não obtiveram sucesso e a mãe morreu. Nesta segunda-feira (3/5), a Índia relatou mais de 300 mil novos casos de coronavírus. Com isso, o número total de casos da doença subiu para 20 milhões, enquanto as mortes por Covid-19 aumentaram em 3.417, totalizando 218.959.

Pelo menos 11 estados e territórios da união impuseram restrições ao movimento de pessoas, para tentar conter as infecções. Entretanto, o governo do primeiro-ministro Narendra Modi reluta em anunciar um bloqueio nacional, preocupado com o impacto econômico.

Leia a matéria original em AratuOn

Continue Reading

Siga-nos no Instagram:

Facebook

Mais Lidas