Connect with us

Mundo

França amplia toque de recolher contra covid-19

Foto: Reuters/Ralph Orlowski/direitos reservados

A França estendeu o toque de recolher a cerca de dois terços de sua população nessa quinta-feira (22). A Espanha cogita ação semelhante, e o ministro das Relações Exteriores da Bélgica foi hospitalizado com covid-19 em uma unidade de tratamento intensivo em meio à segunda onda da pandemia na Europa.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, anunciou que um toque de recolher imposto na semana passada a Paris e mais oito cidades será estendido a 38 departamentos, confinando 46 milhões dos 67 milhões de habitantes do país em suas casas das 21h às 6h.

“Uma segunda onda da epidemia do novo coronavírus está em curso agora na França e na Europa. A situação é muito séria”, disse Castex em entrevista coletiva. 

Na Espanha, cujo ministro da Saúde, Salvador Illa, disse que a epidemia agora está “fora de controle” em muitas áreas, acredita-se que autoridades regionais pressionarão o governo a impor um toque de recolher de âmbito nacional.

Depois que a Europa parecia ter recuperado algum controle sobre a epidemia na esteira dos lockdowns dramáticos de março e abril, uma disparada de casos ao longo das últimas semanas reposicionou o continente no centro da crise.

Embora as hospitalizações e mortes ainda não tenham sobrecarregado os sistemas de saúde, como na onda do início deste ano, as autoridades de muitos países receiam que a situação esteja se aproximando rapidamente de um ponto de inflexão.

A Alemanha, que relatou mais de 10 mil casos diários pela primeira vez, ampliou os alertas de viagem para a Suíça, Irlanda, Polônia, a maior parte da Áustria e regiões italianas que incluem Roma.

“Ainda temos chance de frear uma disseminação maior do vírus”, disse Lothar Wieler, do Instituto Robert Koch, a agência alemã de doenças infecciosas, em Berlim.

Mais de 5,3 milhões de pessoas de toda a Europa contraíram a doença e mais de 204 mil já morreram, de acordo com o Centro Europeu para Controle e Prevenção de Doenças (ECDC). Em comparação, os Estados Unidos somam 8,3 milhões de casos e a Índia, 7,7 milhões.

Às voltas com os custos enormes do novo coronavírus, líderes europeus estão desesperados para evitar o retorno dos lockdowns generalizados que travaram suas economias na primavera.

Mas como os casos aumentam e os serviços de saúde estão cada vez mais pressionados, foram obrigados a impor e expandir restrições locais a áreas ainda mais amplas, visando a reduzir as aglomerações públicas.

Leia a matéria original em Agência Brasil

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Ladrão tenta roubar lutadora de MMA e apanha no meio da rua


A lutadora de MMA Brisa Merlo, de 20 anos, foi assaltada no centro de Mar del Plata, na Argentina. O ladrão pegou seu celular e fugiu. Indignada, a jovem foi atrás do homem, que foi contido por populares, e aplicou nele alguns golpes de jiu-jitsu.

O caso ocorreu no último dia 10 e repercutiu na imprensa local nesta semana. Segundo o jornal La Nación, a jovem tinha acabado de sair do trabalho quando foi assaltada. Durante a perseguição ao assaltante, a jovem pediu carona a uma colega que estava de carro.

Quando desceu do veículo, viu o jovem já ensanguentado e, depois de recuperar seu celular, ela o golpeou e o colocou no chão. Enquanto agarrava o pescoço do homem ela gritava: “Filho da p … vá trabalhar! Estou trancada o dia todo trabalhando para você me roubar em três segundos”.

Ela manteve o homem imobilizado até a chegada da polícia, que levou o suspeito para a delegacia. Em entrevista à rádio Conosco, Brisa explicou que ficou muito irritada pois trabalhou meses para comprar o celular e, em meio a pandemia, está com o salário reduzido.

“Espero que esse garoto nunca mais roube. Tenho sorte de saber me defender porque estudei MMA, mas não quero que isso aconteça com mais ninguém. Estou orgulhosa de como agi e não me arrependo de ter feito isso”, disse a jovem. (IstoÉ)

Continue Reading

Mundo

Cientistas dizem que enxaguante bucal pode matar coronavírus em 30 segundos


Cientistas da Universidade de Cardiff, no Reino Unido, descobriram que enxaguantes bucais podem matar o coronavírus em 30 segundos. O estudo afirma que enxaguantes bucais contendo pelo menos 0,07% de Cloreto de cetilpiridínio (CPC) mostraram “sinais promissores” de serem capazes de erradicar o coronavírus quando expostos ao vírus em um laboratório.

A pesquisa ainda não foi revisada, mas suas conclusões sustentam a de um outro estudo recente que constatou que os bochechos com CPC são eficazes na redução da carga viral. A pesquisa sugere que o produto pode ajudar a matar o vírus na saliva e não há evidências de que ele possa ser usado como um tratamento para o coronavírus, uma vez que não alcança o trato respiratório ou os pulmões.

“Se esses resultados positivos forem refletidos no ensaio clínico da Universidade de Cardiff, enxaguantes bucais baseados em CPC (Cloreto de cetilpiridínio)… podem se tornar um complemento importante à rotina das pessoas, junto com a lavagem das mãos, o distanciamento físico e o uso de máscaras, ambos agora e no futuro”, diz o especialista em periodontologia, Nick Claydon.

Diante disso, um novo ensaio clínico vai analisar se o enxaguante bucal é capaz de ajudar a reduzir os níveis do vírus na saliva de pacientes já infectados com a Covid-19 no hospital de Cardiff. Os resultados devem ficar prontos no início do próximo ano.

Para o professor e diretor do Programa de Treinamento Acadêmico Integrado em Odontologia da Faculdade de Odontologia da universidade, David Thomas, os resultados iniciais foram animadores.

“O estudo clínico está em andamento. Ele nos mostrará quanto tempo os efeitos duram, após uma única administração do enxaguante bucal em pacientes com Covid-19.Precisamos entender se o efeito dos enxaguantes bucais sem receita médica sobre o vírus da covid-19 obtidos em laboratório podem ser reproduzidos em pacientes”, conclui. Fonte: AratuOn

Continue Reading

Mundo

Covid-19: França ultrapassa 2 milhões de casos; Itália tem maior número de mortes em 7 meses

Foto : Diego Vara / Agência Brasil

A França ultrapassou a Rússia como o quarto país com mais casos de coronavírus no mundo e superou os 2 milhões de infectados, segundo a Universidade Johns Hopkins.

O país é um dos mais afetados pela segunda onda de contágio na Europa e está em sétimo entre as nações com maior número de mortes. Já a Itália registrou 731 óbitos por Covid nas últimas 24 horas, o pior número desde o início de abril, e 32.191 novos infectados.

Para tentar conter o vírus, o governo italiano decretou até 3 de dezembro um toque de recolher nacional entre as 22h e as 5h, restringiu o horário dos restaurantes e fechou cinemas, teatros, ginásios ou piscinas. O governo francês também adotou medidas de restrição desde o fim de outubro.

Leia a matéria original em Metro1

Continue Reading

Siga-nos no Instagram:

Facebook