Connect with us

Brasil

VÍDEO: Curto-circuito em rede de energia causa série de explosões em Macapá, AP


Em meio ao apagão que já dura mais de 20 dias no Amapá, um curto-circuito causou explosões em série em uma rua na Zona Norte de Macapá, neste domingo (22). O incidente ocorreu no mesmo dia em que o estado registrou o maior volume de chuva de 2020.

Em nota, a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) informou que um atrito entre dois cabos de alta tensão provocado pela ventania durante o temporal na capital ocasionou as explosões. A ocorrência foi na rua Laranjeiras, no bairro Brasil Novo.

O problema só foi solucionado na madrugada desta segunda-feira (23), segundo a distribuidora de energia. “As equipes operacionais da CEA foram acionadas e a situação foi normalizada às 2h25 desta segunda”, disse o comunicado da estatal.

Moradores com medo

Cristina Cantuária, de 46 anos, mora na rua e contou que sentiu medo de sair de casa. De acordo com ela, essa não foi a primeira vez que viu explosões nos postes de energia da região.

Segundo a moradora, o problema começou desde o início racionamento de energia por causa do apagão que já dura mais de 20 dias no estado — a CEA não confirma elo entre o racionamento e as explosões. A moradora disse que teme que o incidente, que solta fagulhas, provoque incêndio nas casas da rua.

“A gente teme que possa acontecer algum incêndio ou algo pior, porque já pensou se a gente está dormindo e isso estoura e se alastra o fogo? Se torna um risco mesmo. Ontem tive que ir pra casa dos meus filhos porque ficamos com muito medo de acontecer algo grave. Foi muito desespero”, contou.

De acordo com o Núcleo de Hidrometeorologia (NHMet) do Instituto de Pesquisas Cientificas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa), a previsão do tempo indicava que cairia 45 milímetros de chuva no domingo, principalmente na faixa central do estado.

“Essa chuva de agora de domingo foi a mais intensa de todo o ano de 2020. Teve um acúmulo aproximado de 74 milímetros em menos de uma hora. E essas chuvas estão se estendendo por praticamente toda a faixa Sul, Central, Oeste e parte dos municípios do Norte do estado”, explicou Jefferson Vilhena, coordenador do NHMet.

A quantidade de água que caiu no domingo foi quase metade do que já caiu em todo o mês e a previsão é de mais chuvas ainda em novembro.

“A gente percebe que essas chuvas estão se intensificando e pode ser que ocorram mais intensas do que essa. Só neste mês de novembro, o acumulado de chuvas já passou os 150 milímetros, que chega a ser 3 vezes mais que o esperado para todo o mês”, destacou Vilhena.

Leia a matéria original em G1

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

“Pra enfiar no rabo de vocês da imprensa essa lata de leite condensado”, diz Bolsonaro


O presidente Jair Bolsonaro comentou a polêmica sobre o gasto de R$ 1,8 bilhão do governo federal em alimentos e bebidas em 2020. Em um almoço com artistas, o presidente atacou a imprensa. “E quando eu vejo a imprensa me atacar dizendo que comprei 2 milhões e meio de latas de leite condensado. Vai pra puta que o pariu, imprensa. Imprensa de merda essa daí. É pra enfiar no rabo de vocês aí, vocês não, vocês da imprensa, essa lata de leite condensado toda aí”, disse o presidente.

Após ser interrompido por apoiadores aos gritos de “mito”, o presidente continuou. “Não é para a presidência da República essa compra de alimentos, até porque nossa fonte é outra. (Inaudível) para alimentar 370 mil homens do Exército Brasileiro e também programas de alimentação via Ministério da Cidadania, também alimentação via Ministério da Educação, entre tantos e tantos outros. Essas acusações levianas não levam a lugar nenhum. E se me acusam disso, é sinal que não tem do que me acusar”, disse.

O presidente ainda defendeu os gastos com chiclete, afirmando ter importância para as Forças Armadas. “Me acusam de ter comprado 4 milhões de chicletes. E quem já esteve no Exército já teve um catanho. Pessoal sabe o que é um catanho, quem serviu. Tem um chicletinho lá dentro. Isso não é mordomia. Não é privilégio”. Ele prometeu mais explicações sobre os gastos na sua live semanal, que ocorre nesta quinta-feira (28). 

O presidente antecipou que pretende comparar os números com os do governo da ex-presidente Dilma Roussef (2011 a 2016). “E deixar bem claro, amanhã na live, junto com o ministro Wagner Rosário da CGU (Controladoria Geral da União), vamos demonstrar tudo isso, inclusive, que em 2014, a Dilma comprou mais leite condensado do que eu”.

Leia a matéria original em Correio

Continue Reading

Brasil

Homem discute com esposa, saca revólver e a executa com 17 tiros em churrasco de família


Um homem matou a própria esposa em um churrasco de família, que aconteceu na noite do último domingo (24), em Ponta Porã (MS), cidade a 320 km de Campo Grande.

Eliane Ferreira, de 34 anos, foi atingida 17 vezes pelo suspeito, que logo em seguida se matou. O motivo não foi encontrado pela polícia até o momento, mas uma das possibilidades é ciúme.

De acordo com o registro policial, Eliane e o marido iriam para uma confraternização na noite de domingo, mas em certo momento começaram a discutir.

Mais tarde, Alejandro sacou um revólver e disparou 17 vezes na esposa. Depois, se matou com tiro na cabeça.

O casal possuía uma filha de 6 anos que também estava na festa. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Atendimento à Mulher de Ponta Porã.

Leia a matéria original em Varela Notícias

Continue Reading

Bahia

Quase mil trabalhadores foram resgatados da escravidão no Brasil em 2020; 70 deles foram na Bahia

Foto: foto ilustrativa/arquivo/MPT

Em 2020, foram encontrados 942 trabalhadores que estavam sendo explorados em condições de trabalho análogas às de escravo pela Inspeção do Trabalho, segundo o relatório divulgado pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho nesta quarta-feira (27/1). Na Bahia, foram registradas 70 ocorrências deste crime, ficando em quinto lugar do país no ranking negativo.

Na Bahia, assim como Minas Gerais, Mato Grosso, Rio de Janeiro e São Paulo, há uma regional com atividade de fiscalização permanentes. Nos outros estados, isso é feito apenas após denúncias com o Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM), que realizou 46% do total das ações fiscais e foi responsável por resgatar 40% dos funcionários escravizados. Esse grupo encontrou exploração de trabalho análogo à escravidão em 11 das 15 unidades de Federação onde atuou.

O local onde mais pessoas foram resgatadas foi Minas Gerais, onde forma encontrados 351 trabalhadores ilegais. O Distrito Federal ficou em segundo lugar, com 78 trabalhadores em condição de escravidão e em terceiro o Pará com 76 resgatados. Goiás também ficou acima da Bahia, com 75 vítimas.

PERFIL

Em relação ao perfil social das pessoas resgatadas em 2020, dados do seguro-desemprego do trabalhador resgatado mostram que 89% eram homens. A maioria, cerca de  64% tinham entre 18 e 39 anos. Do total,  70% residiam nas regiões sudeste ou nordeste, mas quase metade deles, 44%, tinham nascido na região nordeste.

Em relação à cor da pele, 77% se autodeclararam negros ou pardos, 18% brancos e 5% indígenas. Quanto ao grau de instrução, 21% declararam possuir ensino médio completo, 20% haviam cursado do 6º ao 9º ano e outros 20% até o 5º ano. Do total, 8% dos trabalhadores resgatados em 2020 eram analfabetos.

Em 2020, foram resgatados de condição análoga à de escravo 41 migrantes. Desses, 15 eram paraguaios, 10 peruanos, 8 venezuelanos, 5 bolivianos, 2 chineses e uma filipina. As atividades econômicas onde houve maior constatação de mão-de-obra em condição análoga à de escravo em 2020, quanto ao número de resgatados, foi o cultivo de café, com 140 trabalhadores. Seguem a lista  a produção de carvão vegetal (107), o comércio varejista (91), o cultivo de cebola (65) e a montagem industrial (63).

Prevaleceram as ocorrências de trabalho escravo no meio rural, representando aproximadamente 78% do total. O trabalho escravo urbano teve 211 vítimas em atividades econômicas, dentre elas comércio varejista de produtos não especificados (78), montagem industrial (63), construção civil (38). No meio urbano foram resgatadas três vítimas de trabalho escravo doméstico.

INDENIZAÇÃO

Os auditores-fiscais da Inspeção do Trabalho realizaram 266 fiscalizações pelo país. Mesmo com a pandemia, o número foi similar ao de 2019, quando foram realizadas 280 fiscalizações de combate ao trabalho escravo. No total, desde 1995, são mais de 55 mil trabalhadores e trabalhadoras resgatadas dessa condição em operações.

No que diz respeito à reparação de danos dos trabalhadores, nas 100 ações fiscais cujas relações de trabalho estavam caracterizadas pela a existência de trabalho análogo ao de escravo, que representam 37% do total de fiscalizações, foi recebido pelos trabalhadores resgatados um total de R$ 3.063.596,48 de verbas salariais e rescisórias. Também foi promovida a formalização de 1.267 contratos de trabalho após a notificação dos Auditores-Fiscais do Trabalho durante as operações de combate ao trabalho escravo.

Os dados oficiais das ações de combate ao trabalho análogo ao de escravo no Brasil estão disponíveis no Radar do Trabalho Escravo da SIT. Denúncias de trabalho escravo podem ser feitas de forma remota e sigilosa no Sistema Ipê, sistema lançado em 2020 pela Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Leia a matéria original em AratuOn

Continue Reading

Siga-nos no Instagram:

Facebook

Mais Lidas