Connect with us

Brasil

Polícia prende funcionária do Carrefour envolvida na morte de João Alberto


A Polícia Civil do Rio Grande do Sul prendeu nesta terça-feira (24) Adriana Alves Dutra, funcionária do Carrefour que aparece no vídeo filmando a ação dos seguranças que agridem João Alberto Freitas, 40 anos, até a morte. Ela foi presa em Alvorada, na Região Metropolitana de Porto Alegre, onde mora, segundo o G1 Rio Grande do Sul.

“O que nós observamos é que houve declarações contraditórias. Resta até o final do inquérito (saber) se essas contradições foram motivadas por algo que se queria encobrir ou não”, disse à RBS, afiliada da Rede Globo, a delegada Roberta Bertoldo.

Várias contradições foram percebidas pela polícia no depoimento de Adriana Alves Dutra, que aparece nas imagens de blusa branca, próxima à cena e tenta em certo momento intimidar um rapaz que filmava a agressão. Ela era a responsável pelos seguranças da loja.

No depoimento, Adriana disse que o PM temporário, Geovane Gaspar da Silva, era um cliente do mercado. Na verdade, ele eera funcionário da empresa terceirizada que fornecia segurança ao local.

Ela também contou que João Beto empurrou uma senhora ainda dentro da loja, o que não aparece nas imagens obtidas até agora.

Contou ainda que não ouviu a vítima pedir por ajuda, mas nas gravações são audíveis os gritos dele pedindo socorro. 

Ela disse ainda que por várias vezes pediu que os seguranças largassem João, mas as imagens não mostram nada parecido. Ela aparece tentando impedir a gravação que uma testemunha fazia.

Cronologia
Adriana contou que estava no setor de bazar quando foi chamada porque havia um conflito entre um cliente uma funcionária, uma fiscal de caixa que aparece usando roupa preta nas imagens. 

Ela disse que quando chegou um cliente, que ela soube ser PM, tentava contornar a situação. Esse era Geovane, o segurança da Vector, terceirizada que presta serviço à Carreour.

A funcionária disse que João era uma pessoa agressiva e que já tinha tido problemas com fiscais antes. Ele foi escoltado para fora da loja e nesse momento teria empurrado uma senhora, segundo o depoimento, mas isso não aparece nas imagens disponíveis.

Depois, ela contou, João deu um soco no PM e os dois “se embolaram”. Isso é possível ver nas imagens. Adriana diz que chamou a Brigada Militar e o Samu quando viu que havia sangue da vítima no chão, a essa altura já desmaiada.

Segundo ela, João xingou muito durante a “contenção”, em suas palavras, mas em nenhum momento ela o ouviu pedir por socorro. Insistiu também que pediu várias vezes para os “rapazes” soltarem João.

“Se acalma pra gente poder te soltar, a brigada tá chegando aí, tá bom? (…) A gente não vai te soltar pra ti bater em nós de novo?”, diz Adriana, segundo é possível ouvir em uma das gravações.

Ela notou que era gravada e tentou intimidar a testemunha. “Não faz isso, não faz isso que eu vou te queimar na loja”, diz, se aproximando do rapaz.

Os dois seguranças que espancaram João Alberto foram presos em flagrante e até agora não foram ouvidos. Eles optaram por ficar em silêncio quando foram detidos. A prisão já foi convertida em preventiva. A polícia ainda espera ouví-los.

“Tão logo nós recebamos a autorização judicial, dar acesso a eles ao sistema prisional, para que eles possam esclarecer essas declarações e junto a isso compará-las com aquilo que foi referido pelas próprias testemunhas que estavam no entorno e que também ouviram e viram todas as situações que passaram ali”, diz a delegada.

Omissão de socorro
Além dos dois seguranças, a polícia investiga outras pessoas, que podem ter cometido crime de omissão de socorro. Os nomes dos investigados, que estavam presentes durante o espancamento e nada fizeram, não foram divulgados. 

“Inicialmente se apontou que João havia agredido fisicamente uma mulher no interior do estabelecimento, mas as câmeras de segurança mostraram que não houve essa agressão, que na verdade houve um certo mal-entendido entre um gesto que ele teria feito a uma fiscal que decorre dessa situação, então inúmeras questões vêm sendo ditas, ou desditas, ou não comprovadas”, diz a delegada.

A polícia tenta descobrir se João já tinha tido desentendimentos com funcionários do local. Uma deles afirmou que era “agressivo” e já tinha brigado com fiscais anteriormente. Uma fiscal de caixa disse que soube por colegas que João já havia estado no local embriagado, importunando clientes. As câmeras de segurança de outras datas do local foram solicitadas pela polícia.

Leia a matéria original em Correio

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

Honda suspende temporariamente a produção de motos em Manaus


A montadora Honda anunciou ontem (22) a paralisação temporária da produção de motos no complexo fabril de Manaus, no Amazonas. Segundo comunicado, a decisão ocorreu em virtude dos impactos da covid-19 na cadeia de suprimentos e o agravamento da pandemia no estado. A linha de produção será suspensa do dia 25 de janeiro a 3 de fevereiro. Durante o período, os funcionários dos setores administrativos e produtivos entrarão em férias coletivas, com contingente mínimo para realização de atividades essenciais.

Procurada, a Honda Motos afirmou ter cerca de 7 mil colaboradores, sendo 5,5 mil deles diretamente ligados à produção. A companhia não especificou o número do contingente que continuará atuando durante o período de paralisação.“A retomada está prevista para 4 de fevereiro, desde que as condições necessárias sejam atendidas”, afirmou em nota.

A decisão da montadora ocorre no momento em que as indústrias têm enfrentado a escassez de insumos. A parada abrupta da cadeia produtiva por conta da pandemia dificulta a importação e faz aumentar os custos. Além da escassez de matéria-prima, que aumenta a pressão sobre os preços e custos com logística, a montadora viu as operações serem impactadas pelo recrudescimento da Covid-19. Fonte: Metro1

Continue Reading

Brasil

Fiocruz libera distribuição de vacina aos estados neste sábado; são dois milhões de dose no total

Foto: reprodução/Agência Brasil

As 2 milhões de doses da vacina Oxford-AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), começarão a seguir para os estados na tarde deste sábado (23/1). Depois de chegar em voo da Emirates no Aeroporto de Guarulhos, às 17h20 dessa sexta-feira (22), a carga foi transportada em um avião da Azul até a Base Aérea do Galeão, onde chegou às 22h.

O avião foi recebido na pista por um batismo simbólico, com jatos de água lançados em forma de arco pelos bombeiros do Aeroporto Rio-Galeão.

As vacinas prontas foram fabricadas pelo Instituto Serum, na Índia, e eram aguardadas desde sábado (16), mas tiverem atraso no envio por questões internas da Índia.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, recebeu o lote em solo brasileiro, ao lado dos ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e das Comunicações, Fábio Faria. Também estavam presentes o embaixador da Índia, Suresh Reddy, e a presidente da Fiocruz, Nisia Trindade. Esta última se juntou ao grupo no Rio de Janeiro.

“A encomenda tecnológica prevê 100 milhões de doses para o primeiro semestre. Essas 2 milhões de doses são apenas o início. É o começo do processo. O objetivo do Ministério da Saúde é a vacinação em massa do povo brasileiro. E isso vai nos colocar, rapidamente, no topo da lista do número de vacinados. Com 8 milhões de doses, nós passaremos a ser o segundo país do ocidente que mais vacinou”, disse Pazuello, em pronunciamento à imprensa na Base Aérea.

Leia a matéria original em AratuOn

Continue Reading

Brasil

Projeto de lei prevê a volta do auxílio emergencial

Foto : Arquivo/Agência Brasil

Um projeto de lei foi apresentado na Câmara dos Deputados para retomar o pagamento do auxilio emergencial até abril de 2021. Segundo o projeto, as novas parcelas do benefício seriam novamente de R$ 600, como foram as primeiras pagas em 2020

De autoria do deputado Chiquinho Brazão (Avante-RJ), o projeto ainda precisa passar pela análise da Câmara, do Senado, e ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para entrar em vigor.  “Ainda que de forma temporária, o benefício contribuiu para reduzir o índice de pobreza da população e para manter a atividade econômica. Caso o auxílio não tivesse sido oferecido desde abril de 2020, o índice de pobreza teria saltado para 36% durante a pandemia. Além da queda de renda da população, o fim do benefício vai afetar a arrecadação de estados e municípios e os pequenos comércios locais”, diz Brazão.

Criado em 2020, o auxílio foi pago desde abril sendo as cinco primeiras parcelas de R$ 600 e as quatro últimas de R$ 300. O benefício acabou extinto em 31 de dezembro

Confira o Projeto de Lei na íntegra neste link.

Leia a matéria original em Metro1

Continue Reading

Siga-nos no Instagram:

Facebook

Mais Lidas