Connect with us

Mundo

Joe Biden toma posse nesta quarta-feira como presidente dos EUA


Enxugando as lágrimas, o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, despediu-se emocionado de seu estado natal, Delaware, na terça-feira, 19, antes de seguir para Washington na véspera de sua posse.

“É profundamente pessoal que nossa jornada para Washington comece aqui”, disse Biden depois de esfregar um dos olhos enquanto se dirigia a dezenas de convidados em uma base da Guarda Nacional chamada em homenagem a seu falecido filho Beau. “Só lamento que ele não esteja aqui”, disse Biden, referindo-se a Beau, que morreu de câncer em 2015.

Biden tomará posse como 46º presidente dos Estados Unidos ao meio-dia desta quarta, 20, substituindo o republicano Donald Trump, cuja caótica presidência de quatro anos deixou a população norte-americana profundamente dividida.

O democrata de 78 anos também abordou sua própria mortalidade – uma direção incomum, visto que ele está prestes a assumir o comando da nação mais poderosa do mundo.

Ao chegar a Washington na véspera da sua posse, Biden prestou uma breve homenagem aos mais de 400 mil norte-americanos que perderam a vida para o novo coronavírus.

“Às vezes é difícil recordar, mas é assim que curamos. É importante fazer isso como nação”, disse Biden em declarações em torno do espelho d’água, onde luzes foram acesas como um memorial para aqueles que se foram.

Segurança

Um grande aparato de segurança foi montado para a posse. Doze soldados da Guarda Nacional dos Estados Unidos foram excluídos do dispositivo de segurança da posse, após uma investigação sobre possíveis vínculos com extremistas, informou o Pentágono.

Dos 12 removidos, dois foram por “comentários ou textos inapropriados”, disse a jornalistas o comandante da Guarda Nacional, general Daniel Hokanson, que se recusou a especificar a natureza dos comentários.

As verificações de quem vai monitorar as cerimônias de quarta-feira foram decididas após a violenta invasão do Congresso há duas semanas. As autoridades temem que extremistas tenham se infiltrado nas forças de segurança durante a posse do líder democrata.

Os dois militares cujos comentários foram considerados inadequados já estavam em Washington quando foram apontados ao comandante da Guarda Nacional; um por um superior hierárquico e um por uma fonte anônima, contou Hokanson. Ambos deixaram a cidade.

A eliminação dos outros dez “não teve nada a ver com os incidentes no Capitólio ou com a preocupação de muitas pessoas sobre o extremismo”, disse o porta-voz do Departamento de Defesa, Jonathan Hoffman, sem dar detalhes. O FBI, por sua vez, disse na segunda-feira que revisaria os antecedentes dos reservistas destacados na cerimônia.

Leia a matéria original em A Tarde

Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Tempestade de neve atinge os EUA; mais de 20 morrem e milhões estão sem eletricidade


Pelo menos 23 pessoas morreram e milhões sofrem as consequências de uma tempestade de neve devastadora em vários estados da América. No Texas, milhões de pessoas continuam sem eletricidade nesta quarta-feira (17). Isso significa que, diante das baixas temperaturas registradas, passaram a noite sob frio rigoroso. 

O governador do Texas pediu providências aos responsáveis pelo fornecimento de energia. O frio registrado nestes dias deve durar pelo menos até o próximo fim de semana. Lina Hidalgo, do condado de Harris, escreveu no Twitter que “há a possibilidade de que as falhas de energia aconteçam além do tempo dessa tempestade”.

Mais de 4 milhões de pessoas estavam ontem à noite sem energia, incluindo 1,4 milhão da região metropolitana de Houston. De acordo com a Reuters, também um quarto das casas em Dallas estava às escuras. O presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, disse que o governo federal garantiu aos governadores dos estados afetados pela tempestade que eles terão toda a ajuda de emergência necessária.

Outro problema provocado pelo mau tempo e a consequente falta de eletricidade é que o movimento de vacinação contra a covid-19 foi, suspensa em algumas regiões devido à falta de condições. (AratuOn)

Continue Reading

Mundo

Presidente dos EUA garante vacina para todos norte-americanos até julho deste ano


Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden prometeu garantir até julho desde ano vacina contra a Covid-19 para todos os norte-americanos.

“Vamos ter mais de 600 milhões de doses, o suficiente para vacinar todos os americanos”, disse o democrata durante sua participação no evento da emissora CNN nos EUA.

Ele ressaltou que havia apenas 50 milhões de doses disponíveis quando tomou posse, em 20 de janeiro. Para aumentar a produção, segundo ele, implementou a Lei de Produção de Defesa “para que produtores tenham mais equipamentos”.

Outro desafio para vacinar a população apontado por Biden era a falta de profissionais que aplicassem o imunizante, o que gerou uma ordem executiva presidencial para que enfermeiros e médicos aposentados voltassem à ativa. As informações são da Folha de S.Paulo.

Continue Reading

Mundo

Cinco anos após pior surto, Guiné declara novo surto de ebola no país


A Guiné declarou neste domingo (14) que vive por um novo surto de ebola, cerca de cinco anos após o pior surto da doença no mundo. Três mortes e quatro casos da doença foram registrados no sudoeste do país.

“Diante desta situação e de acordo com os regulamentos internacionais de saúde, o governo da Guiné declara uma epidemia de ebola”, declarou em comunicado o ministro da Saúde da Guiné, Remy Lamah.

De acordo com informações da Agência Brasil e da Reuters, os sete pacientes apresentaram sintomas como diarreia, vômitos e sangramentos, depois de participarem de um velório na subprefeitura de Goueke. Os demais que não foram diagnosticados com a doença foram isolados em centros de tratamento.

A pessoa cujo corpo foi velado em 1º de fevereiro era uma enfermeira em um centro de saúde local e morreu depois de contrair uma doença. Não foi especificado se ela morreu de ebola.

O surto de ebola foi registrado na África Ocidental entre 2013 e 2016. A doença matou cerca de 11,3 mil pessoas. A maior parte dos casos foi identificada na Guiné, na Libéria e em Sierra Leoa.

Leia a matéria original em Bahia.Ba

Continue Reading

Siga-nos no Instagram:

Facebook

Mais Lidas